Entrevista

Médicos devem “saber como dizer a uma mãe que o filho vai morrer”

A directora da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto quer preparar os alunos para a maior humanização possível na sua futura prática clínica. Por isso reformulou o currículo do curso. E diz que há um novo perfil de estudantes. Esta quarta-feira a faculdade celebra 193 anos.

Foto
Adriano Miranda

É a primeira mulher, em quase dois séculos de história da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), a dirigir a instituição na qual em cada ano entram cerca de 300 novos futuros médicos. Em 2013, Maria Amélia Ferreira iniciou uma reforma curricular do curso. Incluiu uma disciplina obrigatória - “Humanidades em Medicina” -, várias unidades curriculares optativas e o voluntariado que conta para a classificação.  A principal missão da faculdade, defende, é “transformar as pessoas que serão os futuros médicos” . “Todos nós gostaríamos de [em caso de doença] ser tratados por alguém que nos saiba olhar, escutar, que possa entender o que é o medo da doença, do sofrimento e da morte”, diz.     

Além de directora da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), é coordenadora do Conselho das Escolas Médicas Portuguesas. Os cursos de medicina em Portugal são bons?

Há oito cursos de medicina em Portugal. E sim, são bons. Sabemos isso porque somos muito competitivos na colocação dos nossos profissionais  [no estrangeiro].

Estamos a formar médicos a mais?

Na FMUP, o numerus clausus é de 245 mas, com os contingentes especiais (licenciados, atletas de alta competição, necessidades educativas especiais), temos cerca de 300 [novos alunos]. São muitos. Desde 1999 que os sucessivos directores da faculdade têm dito que o ideal seriam 190. Em todas as escolas de Medicina do país, entram cerca de 1700 estudantes por ano. Há estudos que provam que é um número já excessivo, mesmo tendo em conta que há gerações de médicos que estão a começar a reformar-se. O professor Alberto Amaral, que fez o primeiro estudo preditivo de empregabilidade médica, previa que a partir de 2016 já haveria desemprego. E a verdade é que nos dois últimos anos já há muitos colegas que não têm tido vaga para a especialidade [os anos em que os médicos fazem o internato, a formação especializada]. É preciso ver que fazer médicos fica muito caro. No final da formação penso que o custo está estimado entre 450 a 500 mil euros.

Há quem se queixe de que, com o actual número de vagas, por vezes há 20 alunos a ver um só doente.

Já não é assim, não podemos admitir que seja assim. Hoje já temos técnicas e metodologias de aprendizagem, de ensino e de avaliação que nos permitem fazer a aprendizagem fora do contexto clínico do doente real. Temos um centro de simulação desde 2003. Agora, é evidente que  a simulação não substitui o doente real. Mas também não posso pôr um estudante a fazer reanimação neonatal. O centro de simulação serve para ensino pré e pós-graduado, as técnicas cirúrgicas, por exemplo, devem ser efectuadas neste contexto.

Defende a humanização da Medicina. Foi por isso que avançou com uma reforma do currículo?

A humanização é cada vez mais importante. Está demonstrado, há estudos nos EUA que provam que grande parte da litigância na saúde acontece mais por falta de comunicação do que por incompetência técnica. Todos nós gostaríamos de [em caso de doença] ser tratados por alguém que nos saiba olhar, escutar, que possa entender o que é o medo da doença, do sofrimento e da morte. Por isso propus a reforma curricular que está em curso desde 2013 (e desde 1982 que não tínhamos uma). É preciso preparar os estudantes para poderem responder aos desafios quando deixarem a faculdade e iniciarem a formação médica. Introduzimos logo no primeiro ano uma disciplina que se chama “Humanidades em Medicina” para chamar a atenção para a antropologia médica, para saber como lidar com o erro.

Os médicos não sabem lidar com o erro?

Os médicos lidam muito mal com a incerteza e com o erro. O curso tem ainda unidades curriculares optativas e voluntariado - temos  mais de 100 estudantes distribuídos por instituições de solidariedade social – e tudo isto conta para a classificação. As competências de comunicação são cruciais: saber ouvir, saber falar. Quando termina o curso, [o médico] tem que saber como dizer a uma mãe que o filho vai morrer. Por outro lado, antes não tínhamos abordagens praticamente nenhumas ao envelhecimento. Quando olhamos para a actual transição epidemiológica, temos que repensar os tempos de formação. A geriatria é crucial, mas não existe no curso como disciplina obrigatória, porque deve ser abordada em todas as disciplinas, tal como a comunicação clínica. Na nova reforma, como disse, introduzimos também um conjunto de créditos para unidades curriculares optativas e muitas são da área das ciências sociais e humanas, como comunicação clínica, medicina narrativa, cuidados paliativos, geriatria, nutrição. Temos mais de 100 unidades curriculares optativas. E temos muitos estudantes a escolher áreas de que há uns anos nem sequer se falava.

O que pensa da eutanásia?

Sou contra. Mas temos de ter a noção dos limites. É difícil, no entanto, ensinar comportamentos, é difícil ensinar quais são os limites. Saber: até quando? Antes, havia muitos estudantes que acabavam o curso de medicina e nunca tinham visto um cadáver. Agora, temos uma cerimónia de homenagem às pessoas que doam os seus corpos [para a investigação e o ensino]. O corpo é o melhor livro, o melhor instrumento pedagógico que podemos ter.

Os médicos queixam-se hoje de que quase não têm tempo para olhar para os doentes.

Os médicos sentem-se muito pressionados para responder a objectivos – que são números –, são obrigados a uma actualização constante e isso causa uma situação de angústia. A pressão e a responsabilidade são muito grandes. E estes últimos 20 anos foram anos de completa mudança. Toda esta evolução tecnológica aconteceu muito depressa. O ensino da Medicina é complexo e muitos docentes não se adaptam a alunos que os confrontam constantemente com o que encontram na Internet. Com o envelhecimento das equipas docentes não é fácil lidar com a actual geração que já nasceu com a tecnologia na ponta dos dedos.  Há um novo perfil de estudante. São muito exigentes, muito focados, falta-lhes por vezes humildade no tratamento de algumas situações, até porque eram os melhores à entrada da faculdade. Por outro lado, têm uma fragilidade muito grande porque são superprotegidos, lidam mal com o fracasso, não estão habituados a isso.

Quando forem médicos vão ter que lidar com o fracasso. Isso ensina-se?

Ensinar a lidar com a incerteza e com o erro é crucial. A principal missão da faculdade é transformar as pessoas que serão os futuros médicos. Por outro lado, estamos a ensinar pessoas que vão utilizar tecnologia que ainda não está desenvolvida. E que vão ter que lidar com uma medicina personalizada. Por isso também vamos ter também que deixar de ensinar toda a gente da mesma maneira.

O corpo docente está preparado para esta revolução em curso?

A faculdade está com um quadro docente muito envelhecido. Este ano vão jubilar dois professores catedráticos, no próximo ano temos cinco a jubilar. É necessário rejuvenescer o quadro docente. Durante quase uma década não se conseguiu contratar gente nova e há um gap muito grande entre gerações. Um dos nossos objectivos é poder contratar gente nova, estimulando os nossos estudantes a fazer investigação, a começar a trabalhar para poderem concorrer a lugares da carreira académica. São as pessoas novas que fazem investigação, que têm a visão do que vai ser a Medicina no futuro. 

Tem dito que a FMUP está subfinanciada. Em quanto?

Os 10 milhões de euros que recebemos do Estado cobrem apenas 76% a 80% dos salários. O orçamento total ronda os 18 milhões de euros. O que nos salva é termos um número muito elevado de projectos e prestação de serviços. No mestrado integrado de Medicina temos quase 1800 estudantes, mas já contamos com um número semelhante de estudantes de pós-graduações, mestrados, doutoramentos e formações contínuas de qualidade reconhecida a nível internacional. 

Sugerir correcção