Dez milhões para incentivar inteligência artificial na administração pública

Novo programa financia análise dos dados de desemprego e das receitas médicas. Concurso para mais projectos abre em Março.

Os computadores são bons a encontrar padrões em grandes quantidades de dados
Foto
Os computadores são bons a encontrar padrões em grandes quantidades de dados KACPER PEMPEL/REuters

O Governo quer pôr mais inteligência artificial nos serviços públicos. Técnicas sofisticadas de análise de dados e o recurso a software inteligente poderão ajudar a máquina do Estado em tarefas como identificar pessoas em risco de desemprego de longa duração e combater a prescrição excessiva de antibióticos. Estes são dois dos projectos experimentais com que arranca um novo programa de financiamento para incentivar o uso da inteligência artificial na administração pública. Vão ser disponibilizados dez milhões de euros ao longo dos próximos três anos.

“O que se pretende é pôr os investigadores a tratarem dos problemas da administração pública, que são verdadeiramente do interesse público”, explicou ao PÚBLICO o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor. “Mais do que processos ou patentes, estamos a falar de estratégias públicas, que requerem a análise de dados que existem e que nunca foram analisados, e que terão um impacto imediato.”

O ministério da Ciência trabalhou com o gabinete da ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, para o lançamento do programa. A atribuição dos fundos fica a cargo da Fundação para a Ciência e a Tecnologia e o primeiro concurso público arrancará a 15 de Março e termina no final de Abril. Podem-se candidatar entidades da administração pública em parceria com entidades de investigação. Manuel Heitor diz esperar que sejam financiados cerca de 30 projectos e, “se correr bem”, haverá concursos anuais.

A iniciativa surge numa altura em que a inteligência artificial – uma designação vasta que abarca várias tecnologias – e a análise de dados são temas cada vez mais frequentes na discussão pública, em parte graças aos produtos e serviços de grandes multinacionais. Os computadores são bons a encontrar padrões em enormes quantidades de informação e, no sector privado, há casos bem conhecidos que ilustram o poder da tecnologia. Os algoritmos de empresas como a Amazon, o Google e o Facebook são capazes de digerir os dados de muitos milhões de utilizadores, identificando comportamentos e interesses, e seleccionando que produtos sugerir ou que anúncios mostrar. No sector financeiro, há ferramentas de inteligência artificial para detectar fraudes com cartões bancários. No retalho, as empresas recorrem a algoritmos para analisar os preços e promoções da concorrência. Também têm software para conhecer melhor os hábitos dos consumidores e ainda para criarem sistemas de conversação inteligentes – os chamados chatbots –, que são capazes de esclarecer dúvidas e, até certo ponto, de interagir com os clientes.

O programa de financiamento agora anunciado pelo Governo arranca com quatro projectos experimentais, em áreas que vão do emprego à segurança alimentar.

Um dos projectos passa pela análise de dados do Instituto de Emprego e Formação Profissional. O objectivo é detectar de forma precoce o risco de desemprego de longa duração, e também identificar as competências de que o mercado de trabalho precisa e que não existem entre os desempregados. O trabalho será feito na Universidade Nova de Lisboa.

Uma outra iniciativa vai analisar a informação das receitas electrónicas passadas pelos médicos, para ajudar a evitar a prescrição excessiva de antibióticos. É uma parceria entre os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde e o Instituto Gulbenkian de Ciência, em Oeiras.

Já um projecto na área de segurança alimentar vai pôr investigadores do Laboratório de Inteligência Artificial e Ciência dos Computadores da Universidade do Porto a tentar identificar situações de risco através da análise de bases de dados. O objectivo é indicar à ASAE as entidades que devem ser alvo de fiscalizações.

Por fim, um quarto projecto – a cargo do Centro de Informática e Sistemas da Universidade de Coimbra – quer criar um chatbot para interagir com empreendedores que recorram a serviços públicos (como o Balcão Empreendedor) destinados a criar empresas, registar marcas e tratar de outras burocracias.

As quatro iniciativas foram escolhidas para “darem o exemplo” e acelerar a introdução destas tecnologias na administração pública, sem esperar pelos resultados do primeiro concurso, explicou o ministro Manuel Heitor. Os projectos que vierem a ser aprovados deverão começar a receber fundos entre o final deste ano e o início de 2019.