Comunidade cigana expulsa de terreno municipal onde estaria autorizada a permanecer

Corpo de intervenção da GNR é acusado de ter desmantelado o acampamento onde viviam quase três dezenas de pessoas e de ter recorrido a agressões e a ameaças com armas de fogo. Comando de Beja nega.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Às seis da manhã desta terça-feira, soldados da GNR do posto territorial da Vidigueira, acompanhados de elementos do corpo de intervenção desta força militar, entraram num acampamento onde viviam cerca de 30 pessoas da mesma família cigana que ali permaneciam há cerca de três meses. O objectivo era retirá-los daquele terreno municipal.

Um dos elementos da comunidade, Daniel Cabeça, contou ao PÚBLICO que “à terceira foi de vez”. Os militares deslocaram-se ao local, pela primeira vez, ao fim da tarde de sexta-feira, para os avisar que tinham de abandonar o local. “Ficámos e pelas 6h da manhã de sábado passado eles vierem novamente e derribaram as tendas onde a gente vivia”. José Falcão, do Movimento SOS Racismo, acrescentou que a GNR “voltou ao local, desta vez com ordem de expulsão e desmantelamento do acampamento”, ordem que a comunidade cigana não acatou, “reiterando que tinham autorização do executivo da câmara  para ali se fixarem”.

À resistência da família, terá correspondido a GNR com “agressões”, diz João Maria Ramos, o elemento mais velho da comunidade, atitude que forçou as cerca de 30 pessoas a fugir para fora do acampamento. “Quando regressámos tínhamos as tendas, colchões, mantas incendiadas, e as viaturas sem as chaves na ignição, que não recebemos de volta”.

Assustados, entraram em contacto com um elemento do executivo (CDU) da câmara de Vidigueira, que os terá aconselhado a sair do terreno municipal localizado em frente das piscinas da vila, advertindo-os que, se não o fizessem, seriam expulsos nesta terça-feira. O elemento da autarquia ter-lhes-á comunicado ainda que não tinha sido a câmara a chamar a Guarda, alegando que não tinha nada a ver com a intervenção da GNR.

O PÚBLICO pediu esclarecimentos ao capitão Daniel Ferreira do departamento de Relações Públicas do comando da GNR de Beja, que negou as acusações de violência denunciadas por elementos da comunidade cigana, adiantando que o corpo de intervenção se “limitou a dar apoio à força do posto territorial da Vidigueira, sem qualquer intervenção directa”.

A intervenção foi feita “a pedido da câmara da Vidigueira para desocupar um terreno municipal que estaria a ser ocupado indevidamente”. “Cumprimos apenas a nossa missão”, vincou o militar. A acusação de terem sido praticados “actos de violência não correspondem à verdade”, diz Daniel Ferreira, acrescentando que “nunca” é propósito da GNR “expulsar as pessoas à força”. “Nós não criámos focos de tensão, até porque temos um historial e experiência de muitos anos com as comunidades ciganas que não justificam o recurso à agressividade.”

Daniel Cabeça diz não compreender as razões da expulsão do terreno municipal – “para onde fomos autorizados a ir pela câmara há cerca de três, quatro meses”. Montaram ali as suas tendas depois de um responsável autárquico (que não identificou) lhes ter proposto que saíssem do terreno que a família tinha alugado na freguesia de Selmes, com a promessa de que iriam morar para casas pré-fabricadas. Mas, enquanto esta promessa não fosse satisfeita, a família poderia acampar num terreno municipal mesmo em frente das piscinas da vila, onde os serviços municipais instalaram uma bica para fornecer água à comunidade cigana e uma extensão para que pudessem ter energia eléctrica, que o PÚBLICO pode confirmar.

“Nós não fizemos mal a ninguém, nem roubámos nada. Estávamos acampados com ordem do presidente da câmara”, afirma Daniel Cabeça, queixando-se que as oito crianças da família deixaram de poder ir à escola. “Temos uma moça de 17 anos que está no 9.º ano e que tem capacidades para um bom estudo para a vida dela, mas agora não quer ir com receio de ser agredida pela GNR.”

Depois de terem sido expulsos do terreno municipal, foram alojados por um outro membro da família num casão na vila da Vidigueira, “onde estão todos amontoados”, explicou ao PÚBLICO.

Miguel Ramalho, chefe de gabinete do presidente da Câmara da Vidigueira, adiantou aos jornalistas que a câmara, “logo que tomou conhecimento do que ocorreu no acampamento, reuniu com alguns dos elementos expulsos para lhes apresentar dois espaços alternativos onde se poderiam instalar”. Mas estes não foram aceites por se situarem “em locais isolados que dificultavam a deslocação das crianças para a escola”, justificou ao PÚBLICO Daniel Cabeça.

Persistem no entanto dúvidas sobre quem solicitou a intervenção da GNR no acampamento, que está completamente destruído, como pode constatar o PÚBLICO. Miguel Ramalho não esclareceu este ponto, apesar do porta-voz do comando de Beja da corporação ter afirmado que foi a Câmara da Vidigueira a solicitar a actuação dos militares. A comunidade expulsa do terreno suspeita que a intervenção das autoridades tenha sido uma reacção à atitude de um membro de outra família cigana da Vidigueira, que terá agredido um elemento da GNR do posto local quando foi interpelado sobre a permanência de dois cavalos numa das estradas que dá acesso à vila.

O regresso ao local de onde foram afastados está posto de parte tanto pela autarquia como pela comunidade cigana.

Sugerir correcção