Mais novos deixam o Facebook mas alguns abrem o Instagram

Previsões da eMarketer antecipam uma queda nos utilizadores entre os 12 e os 24 anos.

Foto
Há sinais de que os jovens estão a gostar menos do Facebook

A ideia de que os utilizadores mais jovens não gostam de partilhar a rede social com os pais e avós corre pela Internet há anos. Mas o envelhecimento dos utilizadores do Facebook está a acelerar, indica um relatório de uma analista de mercado, numa tendência que trará mais desafios à rede social e que poderá mudar o comportamento dos anunciantes.

De acordo com previsões da eMarketer, divulgadas nesta segunda-feira, de todos os utilizadores de Internet entre os 12 e os 17 anos nos EUA, serão este ano menos de metade aqueles que vão aceder pelo menos uma vez por mês ao Facebook.

Os chamados utilizadores activos mensais são uma métrica importante para o Facebook, que tinha em Dezembro 2130 milhões destes utilizadores, mais 14% do que no final de 2016. Teoricamente, é preciso ter pelo menos 13 anos para ter uma conta na rede social.

A eMarketer (que é propriedade do grupo de media alemão Axel Springer) antecipa que o número de utilizadores com menos de 12 anos nos EUA deverá cair 9% ao longo de 2018. Já o número de utilizadores entre os 12 e os 24 anos deverá descer perto de 6%. É a primeira vez que a eMarketer prevê um declínio no número de utilizadores destas faixas etárias.

No Reino Unido, segundo estimativas da mesma analista citadas pelo jornal The Guardian, o número de utilizadores entre os 12 e os 24 anos cairá 12% este ano. Não há números para Portugal.

Contactado pelo PÚBLICO, o Facebook disse não ter nenhum comentário sobre o relatório.

Outras plataformas a crescer

Perder utilizadores mais novos no Facebook não quer dizer que a empresa os perca completamente. Alguns estão a migrar para outras plataformas, entre as quais o Instagram, uma aplicação focada em partilha de fotografias, que é também do Facebook (a empresa é ainda dona da aplicação de mensagens WhatsApp). A eMarketer aponta que esta aplicação deverá conseguir este ano, nos EUA, mais 1,6 milhões de utilizadores com menos de 25 anos.

A aplicação rival Snapchat, que permite a partilha de imagens que se apagam automaticamente e foi concebida especificamente para utilizadores mais jovens, também está a crescer. A aplicação terminou 2017 com 187 milhões de utilizadores diários (não comunica utilizadores mensais, ao contrário das outras redes sociais), um aumento anual de 18%.

“O Snapchat poderá acabar por ter um aumento de utilizadores nos grupos mais velhos, uma vez que está a redesenhar a plataforma para ser mais fácil de usar”, observou a analista da eMarketer Debra Aho Williamson. “A questão vai ser saber se os utilizadores jovens vão continuar a achar o Snapchat fixe à medida que mais pais e avós lá estão. É essa a encruzilhada em que o Facebook está.”

As previsões da eMarketer surgem depois de dois anos difíceis para o Facebook, que começaram com a disseminação de desinformação, especialmente durante as eleições americanas de 2016, e terminaram com um acumular de críticas no final de 2017 em relação aos potenciais efeitos nocivos da rede social, nomeadamente entre os mais novos. “Só deus sabe o que está a fazer aos cérebros das nossas crianças”, afirmou em Novembro, numa entrevista, um dos primeiros investidores na empresa e antigo presidente não executivo, Sean Parker. Poucos meses antes, frente a uma plateia de universitários, um antigo executivo pedira desculpas e tinha dito que “o circuito perpétuo de validação social movido a dopamina" criado pela rede social estava "a destruir a forma como a sociedade funciona".

Mark Zuckerberg anunciou em Janeiro que iria dedicar o ano a concentrar-se em resolver os problemas do Facebook e a empresa já fez alterações nos conteúdos que apresenta a cada pessoa e que resultaram num decréscimo de 5% no tempo passado dentro da rede social. O objectivo é aumentar a qualidade dos conteúdos que os utilizadores vêem.

Por ora, as críticas e alterações na demografia dos utilizadores parecem não estar a afectar o negócio: as receitas da empresa dispararam 47% em 2017.