O Jardim Botânico da Ajuda faz 250 anos e estão todos convidados

As celebrações do aniversário do Jardim Botânico iniciam-se nesta quarta-feira e prolongar-se-ão por todo o ano com visitas guiadas ao pôr-do-sol, exposições de cactos e uma recriação histórica da visita do Marquês de Pombal.

Foto
RIB Rita Baleia / PUBLICO

Foi em 1768, ou seja, há 250 anos que surgiu na Ajuda o primeiro jardim botânico do país. A partir desta quarta-feira têm início as celebrações destes dois séculos e meio, que se prolongarão durante todo o ano. O arranque é dado pela entrada em funcionamento das fontes restauradas pela Associação dos Amigos do Jardim Botânico da Ajuda (AAJBA).

Localizado na Calçada da Ajuda o Jardim Botânico pretende, durante este ano de comemorações, dar a conhecer ao público a sua história e o seu contributo em prol da conservação da natureza e do ensino ligado às ciências da terra.

Com esse intuito, serão promovidas variadas actividades. Será possível ver diversas exposições, como a de cerâmicas de António Vasconcellos Lapa (25 de Abril a 25 de Agosto), a das orquídeas do Rei D. Luís I, exibidas numa estufa criada para esse mesmo propósito (10 e 11 de Março), e das plantas suculentas e cactos (25 a 28 de Setembro). Em paralelo, decorrerão ainda workshops ministrados por especialistas que fornecerão mais informação acerca destas plantas.

Para as crianças está prevista uma panóplia de visitas guiadas acerca de plantas, destinadas e adaptadas às diferentes faixas etárias, e serão ainda oferecidas actividades de tempos livres entre Junho e Julho. Os adultos poderão desfrutar de visitas guiadas ao pôr-do-sol, no mês de Agosto, que terão como temática a história do jardim, acompanhadas por um copo de vinho.

O espaço será ainda palco da comemoração de algumas festas como é o caso da 15ª Festa da Primavera, que reunirá variados produtores e associações de flores a 21 e 22 de Abril, e da Festa Barroca, uma recriação histórica da visita do Marquês de Pombal ao jardim a 30 de Setembro.

Integrado nestas celebrações, o VIII EUROGARD - Congresso Europeu de Jardins Botânicos, decorrerá na Reitoria da Universidade de Lisboa, de 7 a 11 de Maio de 2018 com o tema “Botanic gardens: people and plants for a sustainable world”.

Um jardim para aprendizagem de jovens príncipes

Fundado em 1768, esta criação pombalina foi o primeiro jardim botânico de Portugal - e o 15º a ser construído na Europa - criado por ordem do Marquês de Pombal durante o reinado de D. José e com obras a cargo de Domingos Vandelli, um naturalista italiano. Na altura, incluía um Gabinete de História Natural, um de Física e a Casa do Risco e foi construído “para deleite e aprendizagem da corte de Dom José, em particular dos jovens príncipes”.

Com o passar do tempo, tornou-se uma das mais importantes instituições científicas da Europa e a primeira e mais importante instituição dedicada ao estudo da história natural do país, diz a Universidade de Lisboa em comunicado. A sua colecção aumentou substancialmente, chegando a possuir mais de 5000 exemplares de todo o mundo, sendo mesmo organizadas variadas expedições científicas com o intuito de munir o jardim com exemplares de estudo.

Propriedade da Universidade de Lisboa, o jardim encontra-se sobre a tutela do Instituto Superior de Agronomia (ISA) desde 1910 como estrutura de investigação e ensino, tendo ali lugar aulas práticas para os alunos universitários.

Alberga colecções documentadas de plantas vivas possuindo ainda um banco de sementes e uma colecção botânica com 1576 registos divididos por plantas em estufa e ao ar livre.

O preço de entrada no Jardim Botânico da Ajuda é 2€ para adultos, 1€ para estudantes e maiores de 65 anos e 5€ para famílias, sendo gratuito para menores de 6 anos.

Texto editado por Ana Fernandes