Lisboa já é oficialmente a cidade da Eurovisão

A cerimónia de passagem do testemunho de Kiev para a capital portuguesa ocorreu esta segunda-feira na Câmara Municipal de Lisboa, onde também foram sorteadas as semifinais em que cada um dos 43 países concorrentes à edição deste ano, marcada para Maio, irá competir. Os bilhetes para essas semifinais ficam à venda esta terça-feira, a partir das 10 da manhã.

Fotogaleria
Vitali Klitschko, o ex-pugilista que é hoje presidente da câmara de Kiev, na Ucrânia, entregou a Fernando Medina, presidente da câmara de Lisboa, um porta-chaves com as insígnias de todas as cidades anfitriãs. Lusa
Fotogaleria
A chave Lusa
Fotogaleria
As apresentadoras Filomena Cautela e Sílvia Alberto,As apresentadoras Filomena Cautela e Sílvia Alberto lusa,lusa

Foi com um molho de chaves que Kiev passou o testemunho a Lisboa como cidade anfitriã da 63.ª edição do Festival Eurovisão da Canção. Literalmente. Vitali Klitschko, o ex-pugilista que é hoje presidente da câmara de Kiev, na Ucrânia, entregou a Fernando Medina, presidente da câmara de Lisboa, um porta-chaves com as insígnias de todas as cidades anfitriãs. É uma tradição que existe desde 2007, quando Helsínquia, a cidade organizadora do concurso desse ano, propôs que tal acontecesse, e deu-se esta segunda-feira, ao início da tarde, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Lisboa. Ou seja: Lisboa é agora oficialmente a cidade da Eurovisão, pelo menos até à passagem do testemunho no próximo ano.

Na cerimónia, que teve direito a transmissão em directo na RTP1 e na Internet, Filomena Cautela e Sílvia Alberto, que, com Daniela Ruah e Catarina Furtado – que apareceram num vídeo pré-gravado –, serão as apresentadoras das festividades, sortearam, em inglês, os países que vão actuar nas semifinais. Ao todo, serão 43 países a concurso – o maior número de sempre, que só aconteceu duas outras vezes, em 2008 e 2011.

A primeira, a 8 de Maio, terá Suíça, Finlândia, Bielorrússia, Bulgária, Áustria, Lituânia, Albânia, Irlanda, Arménia, Chipre, República Checa, Bélgica, Croácia, Islândia, Azerbaijão, Grécia, Israel, Estónia e Macedónia, com Reino Unido, Espanha e Portugal a terem direito a voto nas semifinais e presença garantida na final que decorre a 12 de Maio (Reino Unido e Espanha fazem parte dos "cinco grandes", Portugal ganhou no ano passado). Na segunda semifinal, a 10 de Maio, votam Alemanha, Itália e França, por serem os outros três membros desse grupo, com actuações de Montenegro, Suécia, Rússia, Hungria, Malta, Letónia, Sérvia, Dinamarca, Geórgia, Roménia, Austrália, Polónia, Eslovénia, Noruega, Ucrânia, Moldávia, San Marino e Holanda.

As cerimónias ocorrerão no Parque das Nações. A canção portuguesa, que sucederá a Amar Pelos Dois, o tema interpretado por Salvador Sobral que valeu a vitória do nosso país na competição do ano passado e permitiu a realização da Eurovisão em Lisboa, será decidida em duas semifinais e uma final, a 18 e 25 de Fevereiro e 4 de Março, respectivamente.

Os bilhetes para a final da Eurovisão estão à venda desde 30 de Novembro e, à hora da publicação desta notícia, estão perto de esgotar. Para as duas semifinais, contudo, os bilhetes ficam à venda esta terça-feira, 30 de Janeiro, a partir das 10 da manhã. Cada semifinal tem três espectáculos diferentes: o principal, que é transmitido em directo na televisão, e dois outros, para os jurados e para os familiares dos concorrentes. São, ao todo, seis espectáculos para os quais se podem comprar bilhetes.

Já se conhecem alguns dos artistas que vão actuar. Em França, por exemplo, o vencedor do Festival da Canção, que decorreu no sábado, foi o duo Madame Monsieur, com a canção Mercy. Na Albânia, foi Eugent Bushpepa e Mall. Ainda sem canções confirmadas, a artista belga será Laura Groeseneken, que actua sob o nome Sennek, enquanto a Austrália enviará Jessica Mauboy, a Áustria Cesár Sampson, o Azerbaijão Aisel, a Geórgia Iriao e a Holanda Waylon.