Novo material usado nas escolas também é cancerígeno, adverte Quercus

Placas com poliuretano, um material altamente inflamável, estão a substituir coberturas de amianto existentes nas escolas.

Foto
Já foram feitas intervenções para a retirada de amianto em pelo menos 300 escolas Nelson Garrido

O material de isolamento que está a ser utilizado em muitas escolas, o poliuretano, “não só é altamente inflamável, como tem componentes orgânicas voláteis que se vão libertando com a sua degradação e que são cancerígenas”, alertou em declarações ao PÚBLICO a coordenadora da Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza, Carmen Lima. Este material, que é da mesma família do utilizado na associação de Tondela onde um incêndio matou oito pessoas, está a ser utilizado para substituir as coberturas com amianto, cuja utilização está proibida em Portugal desde 2005 precisamente porque a exposição a este elemento está associada a casos de cancro.

Mas também por o poliuretano ser muito inflamável, Carmen Lima chama a atenção para o facto seguinte: “sabemos que as consequências da exposição ao amianto aparecem a longo prazo, agora com este material podem acontecer a curto prazo”. Esta responsável refere que existem “soluções sustentáveis para substituir o amianto, que não comportam riscos”, adiantando que a Quercus tem promovido a sua divulgação, mas sem resultados à vista.

“Tal como está a acontecer com as obras de remoção do amianto, as soluções de substituição adoptadas têm apenasum critério: ser as mais baratas possíveis”, denuncia. Quanto às obras de remoção do amianto, Carmen Lima indica que têm chegado muitas denúncias à Quercus que dão conta de que estas intervenções estão a ser feitas “de forma descontrolada” e sem recurso a empresas certificadas para o efeito.

As operações de retirada de amianto, devido ao perigo de uma maior libertação de fibras, podem ser particularmente perigosas para os trabalhadores envolvidos nestas obras e também para as pessoas que estão presentes no local, o que geralmente se evita. Mas nem sempre. Ainda na semana passada chegou uma queixa à Quercus dando conta de que num agrupamento da Guarda estavam a proceder à retirada de placas com amianto ao mesmo tempo que os alunos tinham aulas, diz.

O Governo estima que existam ainda 4263 edifícios públicos com amianto que necessitam de intervenções para a sua remoção. Ainda segundo os últimos dados divulgados pelo executivo, nesta legislatura já foi removido amianto em 166 edifícios, estando actualmente 86 operações em curso. Durante a anterior legislatura, foram concluídas intervenções em 300 escolas.