Crítica

James Franco, um desastre de realizador

A máscara de filantropia cultural de Franco só engana quem quer ser enganado: a personagem de Tommy Wiseau não chega a ser humana, o intérprete Franco é capaz da despudorada caricatura, mas sobretudo é um desastre de realizador. Que arrogância.

Franco, o maravilhoso actor de <i>Milk</i> (por exemplo), aqui pratica despudoradamente a caricatura
Foto
Franco, o maravilhoso actor de Milk (por exemplo), aqui pratica despudoradamente a caricatura

É já em ambiente de pós-genérico, em Um Desastre de Artista, que vemos lado a lado cenas do filme de James Franco e as cenas que elas recriam – que imitam, é mais justo dizer assim... – de The Room, o filme de 2003 de Tommy Wiseau que se tornaria “de culto” pela sua incompetência. Lado a lado, no final deste filme sobre a rodagem de outro, evidencia-se aquilo que acompanha o macaquear de Franco desde o início (sem que fosse necessário esperar pelo final para o perceber ou sentir.) O quê? Por exemplo, a sua satisfação, a autocondescendência, com a pura exibição (é isto o que as imagens dizem: “vejam o que ele fez, admirem como imitámos bem”, algo que é mais do mundo do sketch e menos do mundo do cinema), o paternalismo em vez da empatia ou no lugar do movimento em direcção a uma personagem para a compreender ou compreender o que a isola dos outros.

Com isto, com este passeio com um freak a quem aparentemente dá as mãos – adaptando o livro The Disaster Artist: My Life Inside The Room, the Greatest Bad Movie Ever Made que Greg Sestero escreveu sobre a sua experiência em The Room e a amizade com Tommy WiseauUm Desastre de Artista imobiliza também o espectador no conforto do “é tão mau que é bom” que, se nos distraímos, pode tornar-se lugar repugnante.

Lembrámo-nos – é comparação que se intromete sem pedir para ser chamada – de Ed Wood (1994), o filme em que Tim Burton transformou “o pior cineasta do mundo”, o de Plan 9 from Outer Space (1959), numa criatura do seu universo. O que quer que se pense desse filme de Burton, a verdade é que ele, sem fazer statement sobre a personagem (por isso não correu risco de paternalismo), a fez “sua” – apropriação que sinaliza o seu lugar de cineasta, de criador (Burton), e o private affair que foi essa empatia. Mesmo que não se partilhe da admiração por Ed Wood, sente-se o afecto de Burton. Mesmo se ficamos à porta de uma incógnita, de um buraco negro, é coisa que intimida. Já sobre James Franco não sabemos dizer qual é o seu lugar de criador – e nada nele intimida ou se agiganta, é o lugar da banalização. Numa espécie de efeito Zelig, tem querido estar sempre “na fotografia”. Só num ano, por exemplo, apoiou-se em William Faulkner, Cormac McCarthy e Bukowski – não fez por menos. No seu turismo cultural, também achou que poderia acrescentar algo à história do cinema americano juntando-se a Travis Matthews em Interior.Leather.Bar, recriação das imagens perdidas de Cruising, de William Friedkin. É um realizador lapa, encontra sempre possibilidades de novas aderências – e depois nelas se imobiliza. Em Um Desastre de Artista a máscara da filantropia cultural só engana quem quer ser enganado: a personagem de Tommy Wiseau não chega a ser humana, o intérprete Franco, o maravilhoso actor de Milk (por exemplo), também é capaz da despudorada caricatura, mas sobretudo é um desastre de realizador. Que arrogância.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações