Afinal, de onde vieram os actuais ursos-pardos da Península Ibérica?

Nova história da viagem dos ursos-pardos até à Península Ibérica inspirada no seu ADN e em fósseis. Segundo um novo estudo, os ursos-pardos actuais não terão descendido directamente dos ursos do Norte na última glaciação.

Foto
Ursos-pardos no Parque Nacional de Gutulia, em Hedmark, na Noruega Kjell Isaksen

Havia uma história sobre os ursos-pardos que todos julgávamos como certa. Temo-la ouvido assim: depois das últimas glaciações na Europa ocidental, o Sul da Europa tornou-se um refúgio para ursos que chegavam do Norte. Viriam então daí os ursos-pardos que hoje vivem na Península Ibérica. Contudo, estudos mais recentes, como um na revista científica Historical Biology, reformularam essa história através do ADN e de fósseis desta espécie de ursos. Querem reescrevê-la desta forma: os ursos-pardos actuais não descendem directamente dos ursos do Norte na última glaciação. Estes ursos abrigaram-se algures na Europa continental atlântica e só depois “desceram” para a Península Ibérica.

O urso-pardo (Ursus arctos), um mamífero com mais de 1,5 metros, tem garras longas, quase direitas, e com elas faz a demarcação visual e olfactiva nos troncos das árvores. O seu tamanho e cor do pêlo variam conforme o sítio onde vive, que pode ser em florestas densas, florestas montanhosas e na tundra. Nos meses mais frios pode ficar a hibernar em grutas.

Este é o ursídeo com maior área de distribuição, encontrando-se na América do Norte, na Europa ou na Ásia. Este peso-pesado das florestas está classificado pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, em inglês) com o estatuto de “pouco preocupante”. “Apesar de a população global estar estável e a sua área de distribuição ser grande, na Europa várias pequenas populações isoladas estão ameaçadas devido à proximidade com o homem”, alerta o site do Jardim Zoológico de Lisboa, acrescentando-se que os perigos que hoje enfrenta são sobretudo a destruição e fragmentação do seu habitat, assim como a caça. Em Portugal, ter-se-á extinto, enquanto espécie reprodutora, por volta do século XVII. Mas o último urso-pardo no território português terá sido morto em 1843, no Gerês, como relembra o livro publicado em Novembro de 2017 Urso-pardo em Portugal – Crónica de uma Extinção (editora Bizâncio), de Miguel Brandão Pimenta e Paulo Caetano.

Foto
Urso-pardo num jardim zoológico na Alemanha REUTERS/Christian Charisius

Mas como chegou este urso à Península Ibérica? É sempre uma aventura entrar na máquina do tempo para percorrer os caminhos do urso. A teoria do refúgio glaciar “atreveu-se” a fazê-lo. Dizia que durante as fases glaciares do Pleistoceno (entre há dois milhões e 12 mil anos) que as penínsulas do Sul da Europa se tinham tornado um refúgio para várias espécies de plantas e animais que não se adaptaram ao frio extremo. Quando as condições climáticas melhoraram, voltaram a expandir-se para norte. “Isto foi confirmado através de estudos filogenéticos de uma variedade de espécies, incluindo plantas, insectos e vertebrados, que mostraram que muitas populações do Norte da Europa tinham provindo das regiões do Sul”, lê-se no artigo. Uma das espécies que teriam ainda “vestígios” desta altura seria o urso-pardo, que ainda vive na Península Ibérica. Portanto, o urso-pardo que conhecemos teria descendido directamente dos ursos das últimas glaciações e a Península Ibérica seria o seu refúgio predilecto.

Agora, um novo estudo de uma equipa espanhola propõe uma reviravolta na história. “Durante o período da última glaciação [entre há 31 mil a 16 mil anos], o aspecto da Europa era um pouco diferente do que é hoje”, conta Ana García Vázquez, da Universidade da Corunha (Espanha) e principal autora do trabalho. Ora, a calota polar tapava completamente a Escandinávia e grande parte da Inglaterra e da Irlanda, que na altura estavam ligadas ao continente porque o nível do mar era mais baixo. Para completar este cenário, os Alpes e os Pirenéus formavam duas grandes barreiras, cobertos por glaciares. Antes deste período, os ursos-pardos espalhavam-se pelo resto da Europa, mas com este clima tiveram de procurar uma “casa” mais habitável.

O rasto destes ursos foi agora seguido através de fósseis de ursos, datados por radiocarbono, e cujo ADN mitocondrial (transmitido por via materna e contido nas mitocôndrias, as baterias das células), tal como o de ursos modernos da Europa Ocidental, foi analisado. “Vimos então que a teoria do refúgio glaciar, geralmente aceite, não funciona para esta espécie”, explica em comunicado Aurora Grandal-D’Anglade, também da Universidade da Corunha e outra autora do estudo.

Passagem pelas Ilhas Britânicas

Comecemos pelo ADN. Observou-se que, no Norte da Península Ibérica, havia três linhagens genéticas durante o Pleistoceno. Mas hoje só resta uma só linhagem na Península Ibérica, o que quer dizer que as outras que chegaram de sítios longínquos não sobreviveram aqui. Como tal, a equipa conclui que as linhagens do Pleistoceno se perderam e que os ursos que hoje existem cá chegaram mais tarde, já no Holoceno (época geológica iniciada há cerca de 12 mil anos e em que nos encontramos). Já depois de terem colonizado as Ilhas Britânicas, chegaram por fim há dez mil anos à Península Ibérica. Uma conclusão obtida pela datação dos fósseis: os das Ilhas Britânicas tinham 15 mil anos e os da Península Ibérica dez mil anos.

“Concluimos que a Península Ibérica não era o refúgio glaciar, pelo menos o Norte. Esse refúgio devia ser uma área mais central, como França”, indica Ana García Vázquez. “De França a Inglaterra, não haveria barreiras físicas, por isso entrar na Península Ibérica poderia ser mais complicado, com os Pirenéus cobertos de glaciares e pouca extensão de terra entre o mar e as montanhas. Outro problema seria o País Basco, localizado na entrada na Península Ibérica: tinha uma população humana importante e competia com os ursos por comida e pela ocupação nas grutas.”

Foto
Fóssil de um urso com 36.000 anos encontrado em Espanha Ana García Vázquez
Foto
Fóssil de um urso com 8600 anos também encontrado em Espanha Ana García Vázquez

Estaremos assim perante uma nova versão desta história para os livros de ciência? “Esta é apenas uma pequena parte da história dos ursos-pardos, e restrita a uma área particular, mas pode servir como um exemplo de como o urso-pardo é uma espécie plástica em termos de habitat”, salienta Ana García Vázquez. Mas nada termina aqui. “O próximo passo é descobrir onde era o refúgio [antes de virem para a Península Ibérica] desses ursos, por isso, será necessário mais amostras de ursos-pardos da Europa atlântica,” adianta a cientista.

Portanto, aguardemos pelos próximos capítulos da história evolutiva do urso-pardo na Península Ibérica. E, enquanto esperamos, podemos conhecer melhor este animal em Lisboa, na exposição Reis da Europa Selvagem – Os Nossos Últimos Grandes Carnívoros no Museu Nacional de História Natural e da Ciência ou vê-los ao vivo no Jardim Zoológico.