Tate Modern mostra Helena Almeida na colecção permanente

Dezenas de fotografias e desenhos de uma das mais relevantes artistas portuguesas vão ser exibidas durante um ano no museu britânico.

Fotogaleria
Tela Habitada, 1976 TATE MODERN
Fotogaleria
Desenho (com Pigmento), 1995-1999 TATE MODERN

As séries Tela Habitada e Desenho (com Pigmento), da artista portuguesa Helena Almeida, estarão expostas ao longo deste ano na colecção permanente da Tate Modern, o conhecido museu londrino. Se a primeira foi feita em 1976, perto do início da sua carreira, e é composta por nove fotografias, a segunda data já dos anos 90 e estende-se por 38 desenhos. As duas obras foram compradas em 2012 pela Tate Modern.

Os trabalhos serão expostos na ala In the Studio/No Atelier, que faz parte da exposição permanente do museu e é renovada ciclicamente. Helena Almeida recebeu a notícia através de uma carta do curador Matthew Gale, que lhe escreveu no final de Dezembro para a informar que as suas obras tinham acabado de ser incluídas na colecção que está exposta em permanência. “Nós prevemos que a sala fique montada durante um ano, disponível para os milhões de visitantes da Tate Modern”, lê-se no documento a que o PÚBLICO teve acesso.

Como Matthew Gale explica na mesma carta, recebida em Lisboa esta semana, “esta é uma ala [do museu] que está focada na estreita relação entre o individual e a obra de arte, quer através do processo de trabalho de um artista, quer da experiência que o espectador tem ao observar”. Aqui, acrescenta o site da Tate, podemos encontrar representações de ateliers de artistas, bem como trabalhos abstractos que chamam a atenção para a complexa natureza da percepção. O curador explica ainda na mesma carta que os trabalhos de Helena Almeida partilham o espaço com obras de artistas como Mark Rothko, Bridget Riley ou Gerhard Richter.

"Fiquei radiante, porque é óptimo colocarem-me a esse nível. Da Riley, do Richter e do Rotko, de que gosto tanto. Já tinham mostrado o meu trabalho anteriormente, mas desta vez é melhor porque estou mais bem acompanhada. Naquela ala realmente há gente fantástica", diz a artista ao PÚBLICO.

Helena Almeida, que tem o seu atelier em Campo de Ourique, em Lisboa, no espaço que pertenceu ao seu pai, o escultor Leopoldo Almeida, produz muito do seu trabalho neste estúdio, várias vezes captado nas famosas fotografias em que também aparece representada.

A artista, que começou a trabalhar nos anos 60, só aceitou mostrar os seus desenhos, que fazem parte do processo de trabalho, mais recentemente, por volta do ano 2000. "Durante anos guardei estes desenhos, porque para mim eram lixo. As pessoas não sonham a quantidade que deitei fora. Todos os dias faço desenhos. A fotografia é o clique dos desenhos."

Na série da Tate, como explica o curador num texto disponível no site, percebe-se como pensa “a disposição do seu corpo, em particular as mãos, ao preparar as acções que vai desempenhar e documentar, numa combinação de fotografia e pintura”. Helena Almeida, acrescenta o texto da Tate, “cruza as barreiras artísticas para combinar pintura, performance, escultura e fotografia”, num percurso que começou com a necessidade de “expandir a pintura para o espaço tridimensional, tratando a tela como um objecto escultórico”, como podemos ver na série Tela Habitada.

Foi depois de uma das curadoras com que costuma trabalhar, a espanhola María de Corral, ter dito a Helena Almeida que gostava muito dos seus desenhos que a artista começou a olhar para eles doutra maneira. "É dentro dos desenhos que eu ponho tudo o que tenho em mim. O que eu penso, o que eu quero. Tem de ser muito bem estudado, porque o clique da fotografia é apenas uns segundos. Não posso ir para a frente de uma parede onde se vai dar o clique sem saber o que quero", explica a artista sobre o seu método de trabalho.

Anteriormente, a Tate Modern já expôs alguns destes trabalhos de Helena Almeida: por exemplo na exposição temporária A Bigger Splash, em 2012, quando as obras foram compradas, numa mostra que explorava a relação entre a pintura e a performance. No mesmo ano, Pedro Cabrita Reis viu a Tate dedicar-lhe o projecto Artist Room, que concede uma sala inteira a um único artista, depois de no ano anterior ter mostrado o trabalho de Julião Sarmento.

Com Helena Almeida, trata-se de integrar a obra da artista numa narrativa mais vasta, ao lado de nomes fundamentais como Rothko ou Richter, entre muitos outros. Os últimos dois anos foram, aliás, muito importantes para a internacionalização desta mulher nascida em 1934, uma das mais relevantes artistas da sua geração. A retrospectiva organizada por Serralves, intitulada A minha obra é o meu corpo, o meu corpo é a minha obra, chegou em 2016 a museus como o Jeu de Paume, em Paris, ou o WIELS, em Bruxelas; já em 2017, o Art Institute, em Chicago, mostrou trabalhos das últimas duas décadas.

Para 2018, Helena Almeida tem prevista uma exposição individual de novos trabalhos na Galeria Helga de Alvear, em Madrid.

Lá mais para a Primavera, a artista, actualmente com 83 anos, talvez aceite o convite feito pela Tate para visitar a exposição.