Woody Allen “para totós” (e um mês de filmes antigos)

Fotogaleria
Manhattan, 1979. No próximo dia 7 os TVCine propõem um dia dedicado a Woody Allen. São sete filmes para ver a partir do meio-dia
Fotogaleria
Annie Hall, 1977
Fotogaleria
O ABC do Amor, 1972

De vez em quando, é bom “saltar fora” da avalanche de filmes e séries novas que diariamente nos são atirados para cima. É certo que é mais difícil do que parece — vivemos numa época em que O Senhor dos Anéis, A Guerra das Estrelas, os filmes de James Bond e outras “sagas” do grande ecrã são considerados “clássicos”... — mas, com alguma atenção, até é possível. Em Janeiro, por exemplo, o canal Fox Movies vai exibir uma avalanche de cinema de acção dos anos 1980, que vai dos ícones da época Schwarzenegger e Stallone até actores de série Z que faziam a delícia das salas de bairro — Chuck Norris, Dolph Lundgren, Michael Dudikoff. Os canais TVCine vão exibir, também em Janeiro, quatro westerns interpretados por Randolph Scott, um dos heróis emblemáticos da série B americana (e três deles são colaborações com o mestre Budd Boetticher).

E, já no próximo domingo, dia 7 (e avisamos com esta antecedência para preparar a box) os TVCine propõem um dia dedicado a Woody Allen, que, a partir do meio-dia, alinha sete filmes do realizador americano que abarcam a sua longuíssima carreira e lançam luz sobre o seu papel central no cinema americano do último meio século. Com as suas duas obras-primas reconhecidas — Annie Hall (1976) e Manhattan (1979), com a sua musa da época, Diane Keaton, em altíssimo nível — no centro, a selecção começa pelas comédias nonsense de início de carreira, representadas por Bananas (1971) e O ABC do Amor (1972), herdeiras do stand-up em que Allen fez o seu nome. Após Manhattan, a escolha ignora as décadas de 1980 e 1990 (as questões de direitos de transmissão são muito complicadas) para abarcar o bom, o mau e o assim-assim da actual fase independente. O assim-assim: Tudo Pode Dar Certo (2009), a colaboração de Allen com Larry David que “faz a ponte” com a sua obra dos anos 1970. O mau: Vais Conhecer o Homem dos Teus Sonhos (2010), uma das suas mais inconsequentes experiências europeias. O bom: Café Society (2016), desmontagem doce-amarga da nostalgia dos anos 1930. É uma espécie de “Allen para totós” em 12 horas e sete filmes — e o TVCine vai fazer o mesmo com Martin Scorsese (a 14) e James Cameron (a 21).

A rubrica Televisão encontra-se publicada no P2, caderno de domingo do PÚBLICO