Tróia, aqui os romanos não eram nada loucos

Entre a serra e o oceano, Tróia beneficia de um clima único e de uma natureza de características exclusivas. E, depois de anos a reiventar-se, está pronta a deixar-se redescobrir.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Sempre houve um toque de Midas por aqui. Nas águas pouco profundas, já salgadas, mas ainda distantes da revolta do Atlântico. Nos areais (cada vez mais) intermináveis, no passado e num futuro que começa a desenhar-se de forma a poder atrair quem gosta de praia, é certo, mas também quem prefira longos passeios pela natureza (a pé, de bicicleta, de carro...), explorar a história ou até mesmo viver uma certa agitação.

Decidir o que fazer não é difícil. Bem próximo do cais onde atracam os ferries que fazem a ligação regular (e quase a qualquer hora) a Setúbal — um passeio que vale por si, mais ainda quando se tem a sorte de avistar os seus habitantes mais famosos: os golfinhos (atenção: há crias entre os animais) —, um centro de boas-vindas trata de expor tudo o que há a fazer por aqui, dando dicas e ideias. Não só em Tróia, como pelas redondezas. Afinal, Tróia não é só um destino por si, mas também um ponto a partir do qual se pode explorar toda uma região.

Mas, para já, quedamo-nos por aqui, saboreando a maresia, ao mesmo tempo que vamos percorrendo calmamente trilhos preparados para que se passeie sem perturbar a natureza. Os passadiços, recuperados e aumentados com as obras que transformaram Tróia num gigantesco estaleiro ao ar livre durante anos, deixam-nos pairar sobre as dunas, sem as perturbar. Mas essa é mesmo a ideia; penetrar na natureza sem que esta dê pela nossa presença. O resultado tem sido interessante de observar, com o crescimento do areal e a densificação da vegetação. Facto que, claro, permite um desenvolvimento das espécies animais — em torno de 600 vivem ou passam por aqui, uma vez que Tróia fica no trajecto migratório de várias aves que aproveitam a abundância de alimento, sobretudo junto às zonas pantanosas, do lado nordeste da península, para recuperar forças para o resto das suas viagens.

Mas já lá vamos. Para já, abraçamos a parte a norte e a noroeste, com vista para a serra da Arrábida. Pelo Trilho da Praia e Duna, por esta altura, é possível observar os pilritos-da-areia, pequenitas aves que costumam brincar com a ondulação, procurando alimento na areia que o mar deixa a descoberto. Ao longo deste percurso também é possível verificar a evolução das dunas: desde as embrionárias, por onde se desenvolvem os cordeirinhos-da-praia, planta que tem como missão reter a areia transportada pelo vento, até às mais antigas que já abrigam arbustos maiores. Entre as duas, dois tipos diferentes de dunas — uma que se distingue pelas cristas altas (a primária) e outra por ser porto de abrigo de pequenos arbustos aromáticos, como a perpétua-das-areias (a secundária).

Nas nossas costas, os empreendimentos. Uns que sobreviveram da Tróia "antiga"; outros, erguidos ao longo dos anos de intensas obras. No conjunto, a intenção passa por dar vida à península e atrair capital, mas, de acordo com o que defende a gestão do Tróia Resort, empresa da Sonae que também detém o jornal PÚBLICO,  sobretudo por respeitar tempos e espaços. Daí que a construção esteja aquém do máximo de camas permitido e a ideia seja manter uma densidade populacional baixa, o que se reflecte de forma positiva no habitat que nos acolhe. Essa é a razão principal para que o conjunto de villas, townhouses (ambos para venda ou aluguer) e lotes (com projectos pré-aprovados que seguem as mesmas directivas) se espraiem de forma ao mesmo tempo harmoniosa e sem pressa, permitindo um ambiente de exclusividade e de contacto com a natureza. Além do mais, cada fogo, apesar de espaçoso e totalmente pronto a ocupar, também tem número limitado de camas.

Mergulhar na história

Poderíamos, por aqui, ir ter à praia. Mas, ainda que o sol teime em dar o ar da sua graça neste Inverno, as temperaturas convidam a outros mergulhos. Embrenhamo-nos por isso por outro passeio, desta vez pelo tempo, até aos dias em que o Império Romano se estendia até à Lusitânia.

Não se sabe muito bem como nem por que motivo vieram parar os romanos a Tróia. Mas não é difícil nem de imaginar nem de construir uma história. Afinal, como escreveu Hans Christian Andersen, "Tróia constitui matéria para todo um conto".

Nesta "Pompeia de Setúbal", como a descreveu o poeta dinamarquês, o acesso era fácil não só para as embarcações que chegavam de todo o império, como o local seria simples de defender, avistando-se ao longe quem se decidia aproximar. Certo é que a extensão desta povoação ainda está por determinar, sabendo-se que a descoberto está apenas uma ínfima parte, mas que deixa adivinhar perfeitamente a importância deste pólo cuja actividade percorreu seis séculos, desde I até VI d.C..

Os tanques colocados a descoberto têm uma dimensão impressionante. Mas ainda mais incrível é o estado de conservação de todas as estruturas expostas, que ficaram durante mais de mil anos abraçadas (e protegidas) pelas areias sopradas pelo vento que ainda hoje garante a manutenção das dunas. Neles não só o peixe que provinha das sobrepovoadas águas era salgado, como ainda se aprimoravam os molhos de peixe que viriam a fazer parte da dieta romana, sobretudo das famílias mais abastadas.

De Tróia, saía alimento para todo o império, sendo inclusive catalogado como o maior centro de produção de salgas de peixe do seu tempo. E a verdade é que foram encontradas ânforas — ou o que resta delas — provenientes desta pequena península um pouco por todo o território ocupado pelos romanos.

Monumento Nacional desde 1910, o complexo, que reúne ainda zona residencial, termas, necrópoles, um mausoléu e uma basílica paleocristã, deve a sua descoberta ao acaso e a sua exploração ao alto patrocínio da infanta (e futura rainha) Maria I. Entre o início das escavações e os dias que correm, muito desapareceu — caso das pinturas e pisos com mosaicos encontrados nas casas romanas na zona designada por Rua das Casas da Princesa em homenagem à infanta. Actualmente, explicam-nos, o que vai sendo descoberto nas ruínas não é desprezado: encontram-se peças expostas no local, mas também noutros espaços, como é o caso do Club House junto ao campo de golfe, onde o elogio ao passado é feito numa pequena sala-museu.

A visita às ruínas é constantemente acompanhada pelo esvoaçar de alguma ave que tem por perto poiso e alimento abundante, como que a querer-nos provar que a península ainda tem muito por onde crescer. Afinal, quase dois mil anos depois, e ao contrário do que os gauleses das tiras da dupla Albert Uderzo e René Goscinny os acusam, os romanos que encontraram lar em Tróia não eram nada loucos.

PÚBLICO -
Foto