O que é o exercício verde?

Fazer atividade física em ambientes naturais — o chamado “exercício verde” (green exercise) — traz benefícios acrescidos para a saúde e bem-estar. E pode ser parte da solução para um número crescente de problemas, quer de natureza ambiental quer de saúde pública

Foto
Adriano Miranda

Sabemos que doenças crónicas como diabetes, obesidade ou doenças cardiovasculares, que alteram drasticamente a vida do doente, estão associadas a um estilo de vida sedentário. Por seu lado, a inatividade física está associada a alimentação de menor qualidade, a mudanças sociais como a atomização das famílias e da comunidade, a urbanização, ou a tendência para uma população mais envelhecida. Ao mesmo tempo, os ambientes naturais estão sob pressão do desenvolvimento urbano e da rede de transportes, das mudanças climatéricas e da poluição da água e do ar, entre outros fatores. É já do conhecimento comum que a atividade física faz bem à saúde e que o contacto com a natureza também. Todavia, o que a investigação recente tem demonstrado é que há um importante efeito combinado. Por exemplo, um estudo feito com mais de 20 mil australianos mostrou que os indicadores de bem-estar eram potenciados quando os praticantes de atividade física habitavam perto de ambientes verdes.

A ciência tem demonstrado que a atividade física está associada a mais tempo despendido no exterior e um maior acesso a espaços verdes. Quando há mais facilidade no acesso a ambientes naturais, os indivíduos têm três vezes mais probabilidade de vir a praticar atividade física, de sentir maior autoestima e bem-estar, e menos sentimentos de tensão, depressão, ou confusão, para além de desenvolverem maior resistência ao stresse. A experiência de espaços verdes melhora a percepção de saúde em geral, a sensação de energia ou vitalidade, e está associada a outros benefícios como a redução da prevalência de asma, a melhoria da função cognitiva e a perfis de cortisol mais saudáveis. Também são de sublinhar os benefícios sociais associados a ambientes verdes: vários estudos reportam a percepção de maior suporte social e maior sentido de comunidade entre indivíduos que habitam próximo de espaços verdes.

A mera permanência de cinco minutos na natureza tem um efeito positivo imediato na saúde mental, qualquer que seja a idade ou o sexo dos sujeitos, o tipo de ambiente natural ou a atividade realizada (caminhar, usar a bicicleta, realizar exercícios de força...). Verifica-se também que os benefícios são amplificados quando existe simultaneamente “verde” e “azul” (espaços com água), como num caminho arborizado perto de um lago. Ainda assim, recomenda-se uma dosagem adequada de “exercício verde”, programada de acordo com o contexto e condições climatéricas, com as características pessoais dos praticantes e com o tipo de exercício pretendido.

Em atividades na natureza é necessário considerar as características do terreno, o percurso, a temperatura, o clima, entre outros aspectos geofísicos. Isto exige um foco mental constante que, por sua vez, está associado a um maior empenho na atividade. Consequentemente, a atividade torna-se ainda mais desafiante para o praticante, que ao mobilizar a sua atenção para o exercício nestas circunstâncias variáveis distrai-se quer do esforço imediato, quer de problemas do seu quotidiano. Esta variabilidade na estimulação proporcionada pelo “exercício verde” pode complementar a prática de exercício em espaços interiores.

Tudo isto é reforçado quando sabemos que o tempo passado fora de casa, nomeadamente o tempo de contacto espontâneo com a natureza, tem diminuído. A era digital veio promover comportamentos sedentários em adultos e também em crianças cada vez mais novas, fixando-as aos espaços onde estão as novas tecnologias. Estudos recentes mostram um efeito de influência recíproca entre o tempo despendido em plataformas digitais pelos familiares adultos e o maior tempo passado em casa por crianças e jovens. A consequência é as crianças conviverem cada vez menos em ambientes naturais. O ambiente verde oferece um leque variado de possibilidades de brincadeira e diversão para a criança, para o aumento do seu autoconhecimento e da sua ligação com a natureza. O “exercício verde” nas crianças também é importante porque, além de contribuir para o desenvolvimento psicológico, cognitivo e motor, está associado à prática de actividade física de longo prazo.

O exercício ao ar livre não é apenas uma experiência multissensorial que expõe os indivíduos à luz do Sol (produção de vitamina D) e ao ar fresco. Os ambientes verdes convidam os indivíduos a serem ativos, conscientes, interagirem com outros e desenvolverem conexões com a natureza. Por isso é recomendável que os centros urbanos tenham uma ordenação paisagística que incorpore verde na distribuição arquitectónica de edifícios habitacionais e empresariais, de hospitais, e de espaços comunitários, promotores, entre outras coisas, de atividade física. Ou seja, o exercício verde pode influenciar a própria planificação de zonas urbanas e ser usado como um mecanismo para melhorar a saúde e bem-estar da população, para se conhecer o território e preservar os ambientes naturais. 

Duarte Araújo, professor da Faculdade de Motricidade Humana, Universidade de Lisboa, e presidente da Sociedade Portuguesa de Psicologia do Desporto;
Pedro Teixeira, professor da Faculdade de Motricidade Humana, Universidade de Lisboa, e Diretor do Programa Nacional para a Promoção da Atividade Física, Direção-Geral da Saúde

Os autores seguem o novo AO