Histórias cruzadas do jazz português, agora na rádio e sem ensaio

O saxofonista Carlos Martins e o radialista António Macedo juntam-se no programa Sem Ensaio, que a Antena 1 põe no ar a partir da madrugada desta sexta-feira.

Foto
Carlos Martins quer cativar também um público não especializado DR

Histórias do jazz em Portugal têm vindo a ser contadas de várias formas. Em livros, em séries e em ciclos. Entre elas, destacaram-se AtensãoJAZZ, na RTP, uma série televisiva documental de dez episódios da autoria de Paulo Seabra e Rui Neves (agora lançada em DVD duplo pela Alambique) e o ciclo Histórias de Jazz em Portugal, que António Curvelo e Manuel Jorge Veloso criaram e dinamizaram com inúmeros músicos entre o Hot Clube de Portugal, em Lisboa, e o Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães.

Agora surgem novas histórias, desta vez na rádio, via Antena 1. Sem Ensaio, o programa que se estreia na madrugada desta sexta-feira, às 0h12, nasceu de uma ideia de Carlos Martins, saxofonista e dinamizador da Festa do Jazz. “Temos feito, ao longo de 15 anos, um trabalho muito importante na criação de comunidades, muito graças à Festa do Jazz, agora também graças à [associação] Porta Jazz, às orquestras de jazz e também às escolas de jazz que existem em Portugal. E tínhamos uma ideia para criar um projecto. Reunir pessoas, músicos e não-músicos, de duas gerações diferentes, em livro ou noutra plataforma, que contassem histórias desde o início do jazz em Portugal, desde pessoas que estão vivas ainda até ao jovem músico que ganha um concurso e agora é um talento.”

Cativar o público

As histórias que Carlos Martins tinha em mente deviam ser de molde a interessar o público do jazz, mas tinham um outro objectivo, à atenção de um público mais vasto. “Ajudar a perceber uma coisa muito elementar: os músicos de jazz não são uns improvisadores que passam horas a estudar padrões melódicos e rítmicos para depois criarem um conceito de improvisação; são indivíduos com histórias, alegres, tristes, trágicas, cómicas, como todos nós. Ou seja: aproximar emocionalmente aquilo que é a história do jazz português a um público que pode vir a ser cativado para esta música.”

Pensou-se até fazer uma coisa online, com pequenas histórias. Mas numa conversa com Rui Pêgo, da Antena 1, surgiu outra ideia: um programa radiofónico de 50 minutos. E isso obrigou Carlos Martins a retrabalhar o conceito, com a ajuda do radialista António Macedo, que estará sempre com ele em estúdio, animando ambos o programa. “O que é tem o programa, no fundo? Tem uma introdução, que eu escrevo, que muitas vezes partilho e digo com o António Macedo; tem um genérico criado por ele, com música minha, de surpresa, sem eu saber qual era a música; tem os convidados, que contam cada um a sua história; e tem uma coisa inovadora em rádio, a construção de uma atmosfera, uma paisagem sonora complexa mas identificável, com uma história que eu não conto aos convidados. E eles acabam por ter uma grande surpresa.”

Complexidade acessível

Mas Sem Ensaio tem ainda outro objectivo: “Queremos mostrar que a improvisação é uma complexidade acessível. No mundo ocidental, a palavra improvisação tornou-se sinónimo de mal preparado, em cima do joelho, uma palavra suja. No fundo, porque tem uma tendência enorme para a imprevisibilidade, para o desconhecido. Por isso o subtítulo do programa é ‘Não se ensaia o desconhecido’.”

No primeiro programa, que será emitido logo após a meia-noite desta quinta-feira, Carlos Martins e António Macedo terão como convidados Proença de Carvalho, hoje advogado mas que foi baixista e fez o primeiro grupo de jazz em Coimbra, e João Barradas, “um acordeonista absolutamente brilhante”. Nos programas seguintes aparecerão, por exemplo, a cantora Maria João com o saxofonista Ricardo Toscano, ou o pianista João Paulo Esteves da Silva com o guitarrista André Santos. “Teremos ainda Carlos do Carmo, num programa a seguir, pessoas do cinema, pessoas que tenham histórias a contar relacionadas com o jazz.”