Vai comprar um telemóvel para oferecer ao seu filho? Cuidado com o seguro

Foto
Maria João Gala

Comprar um equipamento electrónico, como seja um tablet ou um telemóvel, pode terminar com a contratação de um seguro. O consumidor é, quase sempre, aliciado com a proposta irresistível de contratar um seguro que cobrirá qualquer situação não abrangida pela garantia legal, como roubo, avarias ou danos acidentais.

Mas será que vale mesmo a pena contratar este seguro?

O preço destes seguros é elevado e a lista de exclusões é imensa. Por isso, avalie bem as vantagens dos contratos de seguros de equipamentos móveis face à garantia legal (dois anos), confrontando essas possíveis vantagens com as exclusões apresentadas e ainda ao preço.

Na maioria dos casos, e de acordo com o nosso estudo, a proposta de seguro é apresenta como uma solução para as situações não abrangidas pela garantia, como danos acidentais e roubo. Contudo, as exclusões dizem o contrário. Exemplificando:

- Se o aparelho electrónico desapareceu sem que tenha sido usada força ou existam vestígios dessa violência, o consumidor tem uma situação que consta da lista das exclusões;

- Se o equipamento foi roubado de um local que não estava fechado à chave ou trancado, também não dá direito a accionar o seguro;

- Se o consumidor colocou o seu aparelho numa situação de perigo, ao “não actuar com zelo e cuidado”, está claramente no topo da descrição das exclusões.

Acresce à lista de excepção o facto de o contrato definir o pagamento de valores extras para reparar uma possível avaria. A garantia permite essa reparação sem custos extras.

Então, vale a pena? Provavelmente, não. Se for aliciado e ficar interessado, solicite que lhe disponibilizem um documento com informação detalhada sobre a apólice proposta, pergunte tudo o que entender e avalie bem as vantagens e as exclusões.  

Conteúdo da responsabilidade da Deco