Fotografia e viagem: este exodus é um festival

National Geographic Exodus Aveiro Fest arranca esta sexta-feira em Aveiro e reúne alguns dos mais reputados nomes da fotografia e da videografia de viagens — e de causas.

Foto
Konsta Punkka

É um festival de fotografia. É uma exposição. É uma gigantesca sessão motivacional e é a  oportunidade de conhecer de perto alguns dos nomes gigantes da fotografia e da videografia, que vai partilhar as suas histórias e algumas das suas técnicas. O National Geographic Exodus Aveiro Fest arranca esta sexta feira no centro de Congressos de Aveiro e promete trazer muita inspiração a todos aqueles que vivem (ou sonham) com a viagem e com as imagens. Durante três dias, o programa é  intenso e variado, e passa por pequenas palestras e intensas masterclass, por conversas sobre o provável e o improvável, desde o poder da imagem e a satisfação da viagem, como a força da denúncia e da urgência da conservação da natureza. 

Bernardo Conde, director do festival, explicou sucintamente que o objectivo desta organização é “inspirar as pessoas a fazer coisas”, mostrando-lhes que aqueles que os amantes das viagens e da fotografia mais admiram, são, “afinal, pessoas como todos nós”. “Por acaso, são todos movidos por causas”, repara. Os oradores convidados são dez, e todos eles vão abrilhantar as speaking sessions, que decorrerão nos dias de sexta e sábado. No último dia de festival, domingo, seis deles vão dinamizar outras tantas masterclass, nas quais os interessados poderão aprofundar o conhecimento através da experiência destas profissionais que prometem ali revelar algumas das suas técnicas.

Foto
Pete McBride

Entre essa dezena de nomes convidas estão Ami Vitale, fotógrafa da National Geographic que já viajou por mais de 90 países, viveu em barracas de lama e cenários de guerra, contraiu malária, e esteve presente nas maiores catástrofes naturais da história recente. Está também Mario Cruz, fotojornalista da Lusa e da EPA e que publicou o premiado trabalho sobre os Talibes, crianlas escravizadas em pretensas escolas corânicas do Senegal, ou Pete McBride, fotógrafo e videógrafo, que tem feito trabalho notório sobre a conservação dos rios, desde o Colorado até ao Ganges. Ou Oliver Astrologo é um dos maiores contribuidores do Vimeo, com inúmeros Staff Picks, e é actualmente um dos videógrafos mais procurados pelas marcas de moda e viagem, reconhecido que é pelas suas técnicas de edição vanguardistas. Ou ainda GMB Akesh, fotógrafo do Bangladesh que se tem empenhado na denúncia de trabalho infantil e outras causas sociais. 

Durante os intervalos das Speaking Sessions, a agência de viagens Nomad assumiu  a dinamização de pequenas tertúlias de alguns líderes de viagem, outros grandes viajantes e outros menos conhecidos - a Nomad e a direcção do festival organizaram um pequeno concussor para seleccionar um viajante desconhecido a ir ali partilhar a sua história.  O IPCI- Instituto de Produção Cultural & Imagem também lá vai debater o futuro da educação na área da fotografia e do vídeo documental.

O bilhete para os dias dias do festival, e que dá acesso às speaking sessions (que se realizarão sexta e sábado), visita guiada às exposições , acesso ao longe Nomad e ao programa de animação nocturna. O acesso às masterclass custa 120 euros, cada uma. A consulta do programa e a compra de bilhetes pode ser feita no website do festival.

Foto
Shams