Tesla anuncia primeiro camião, mas a vedeta foi o “carro mais rápido do mundo”

O novo Roadster acelera dos zero aos 100 quilómetros/hora em menos de dois segundos. O primeiro camião eléctrico terá autonomia de 800 quilómetros.

Fotogaleria
O Roadster estará disponível em 2020 Reuters/HANDOUT
Fotogaleria
LUSA/TESLA HANDOUT
Fotogaleria
LUSA/TESLA HANDOUT
Fotogaleria
LUSA/TESLA HANDOUT
Fotogaleria
LUSA/TESLA HANDOUT

Após anos de apostas em carros eléctricos, a Tesla anunciou na quinta-feira o primeiro camião eléctrico – que é, na verdade, um tractor semi-reboque – e que é também o primeiro veículo pesado produzido pela empresa norte-americana. Foi baptizado de Tesla Semi, tem quatro motores independentes e uma autonomia de 800 quilómetros. Mas as surpresas não ficaram por aí. Durante a cerimónia de apresentação, na Califórnia, o fundador da empresa, Elon Musk, anunciou a segunda geração do Roadster — o mesmo nome dos primeiros veículos eléctricos da Tesla, produzidos entre 2008 e 2012.

Manter a produção de camiões a diesel seria um “suicídio económico”, diz Musk, que decidiu desenvolver uma viatura eléctrica aerodinâmica de alto desempenho: sem carga, o camião de 18 rodas consegue atingir 96 quilómetros em apenas cinco segundos. Os vidros são à prova de impacto, há ecrãs de lado que permitem ter acesso a imagens captadas em câmaras exteriores e há ainda uma característica distintiva dos restantes camiões. Em vez de vários assentos, o camião tem um único assento centrado dentro da cabine.

PÚBLICO -
Foto
Aspecto interior do Roadster
PÚBLICO -
Foto
Aspecto interior do camião

Tal como noutros modelos da Tesla, o camião também está munido do Autopilot, um software que permite que o veículo se mantenha na faixa, que mude automaticamente de faixa, estacionar automaticamente ou adaptar a velocidade às condições de trânsito.

As expectativas eram altas: antes da apresentação oficial, o multimilionário foi aguçando a curiosidade no Twitter. “Pode transformar-se num robô, combater extraterrestres e fazer um excelente latte”, ironizou Elon Musk na véspera da apresentação. Mesmo não combatendo extraterrestres (para já), o entusiasmo do lado da plateia foi indisfarçável, com gritos de entusiasmo e assobios.

A promessa é que os quatro motores independentes do camião – classificado como “o mais seguro de sempre” – potenciam a aceleração com um baixo custo energético. Mas, ultimamente, a capacidade da empresa de produzir e dar resposta a todos os pedidos foi posta em causa. No terceiro semestre de 2017, escreve o Guardian, a Tesla produziu apenas 260 exemplares do Model 3s, muito aquém dos 1500 prometidos em Agosto.

O carro “mais rápido do mundo”

Foi precisamente de entre os camiões que surgiu outra das revelações da noite. O novo Roadster acelera dos zero aos 100 quilómetros/hora em apenas 1,9 segundos — o que, a confirmar-se, faria deste modelo o primeiro a obter aquela velocidade em menos de dois segundos. O fundador e CEO da Tesla Elon Musk pensa que o veículo conseguirá atingir uma velocidade máxima acima de 400 quilómetros por hora e que tem ainda uma autonomia máxima de 997 quilómetros.

A Tesla classifica-o como um “supercarro eléctrico” que maximiza o potencial da engenharia aerodinâmica, com uma “performance e eficiência que bate recordes”. O carro pode transformar-se em descapotável, já que o tecto de vidro é removível. O carro tem quatro lugares e três motores (um à frente e dois na traseira).

O preço do tractor semi-reboque ainda não foi anunciado, mas já se aceitam reservas. A produção só começará em 2019. Já a segunda geração dos Roadster estará disponível a partir de 2020. A empresa anunciou ainda que pretende criar uma rede de carregadores (“megachargers”, como lhe chamam) que carregam um carro em 30 minutos, de forma a que fique com 640 quilómetros de autonomia.