Crítica

As madalenas de Mariazinha

Um documentário curioso mas desequilibrado sobre uma infância colonial nos tempos do regime.

Fotogaleria
Mariazinha
Fotogaleria
João Afonso dos Santos
Fotogaleria
João Afonso dos Santos, Zeca Afonso e Mariazinha, em Lourenço Marques
Fotogaleria
Através de memórias cruzadas, um retrato sentido de um Portugal colonial contraditório

As rosas timorenses de Ermera são, neste curioso documentário de Luís Filipe Rocha (Cinzento e Negro), uma espécie de “madalena” de Proust, um aroma ou uma recordação que invocam memórias do “mundo quase perfeito” em que três irmãos viveram à beira da Segunda Guerra. Para a família do juiz José Nepomuceno Afonso dos Santos, houve um antes de Timor e um depois de Timor, marcado pelos perfumes exóticos que, aos 83 anos, ainda persistem na memória de Mariazinha, a mais nova das três crianças do juiz. E, no fundo, é essa memória que Rocha escava para contar a história, alheia a questões sociais ou políticas ou fracturantes, de uma infância colonial: primeiro a três, em Lourenço Marques, depois em Dili e Coimbra, cruzando de maneira elegante os depoimentos de Mariazinha, que foi com os pais de Moçambique para Timor, e de João, o irmão mais velho, enviado para Coimbra com o irmão José (que, anos mais tarde, seria para todos “o Zeca”, José Afonso) para viver com uma tia beata numa casa fechada sobre si própria. Desenha-se assim, através dessas memórias cruzadas, um retrato sentido de um Portugal colonial contraditório, entre os espaços abertos do “ultramar” e a austeridade conservadora da “metrópole”.

Mas se, na primeira metade, desenhando a intimidade de uma família a partir das recordações que restaram, Rosas de Ermera é um fascinante trabalho de memória, na segunda parte, que se centra na experiência da família em Timor depois da invasão japonesa, o filme desequilibra-se e dispersa-se. Ao levar Mariazinha de regresso a Timor para se confrontar com o presente das suas memórias, é como se a magia se perdesse — como se de repente ela não passasse de uma turista nas suas próprias recordações, e tudo aquilo que até aí era nítido e cristalino na vida da família se tornasse turvo e ausente.

Nesse processo, Rosas de Ermera perde a sua capacidade de invocar o tal “mundo quase perfeito” para se resumir apenas à reportagem do que ficou depois de ele se perder. Como quem prova o velho adágio que diz que nunca devemos voltar aos locais onde fomos felizes, o documentário de Luís Filipe Rocha parece apenas ganhar-se na distância do passado, mais do que na sua proximidade.