Sobrinho Simões alerta para perda de qualidade na formação médica

Médico recebeu o Prémio de Mérito da Competência em Gestão dos Serviços de Saúde, instituído pela Ordem dos Médicos.

Sobrinho Simões na comemoração do 10 de Junho
Foto
Sobrinho Simões na comemoração do 10 de Junho Nelson Garrido

O médico e investigador Sobrinho Simões considera que Portugal está "a perder qualidade" na formação médica e diz que também há um afastamento entre hospitais, universidades e institutos de investigação. Questões que, disse neste sábado numa cerimónia onde foi homenageado, o preocupam, sendo que a culpa "é de todos".

Manuel Sobrinho Simões, especialista em patologia molecular que liderou a criação do Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto (IPATIMUP), recebeu o Prémio de Mérito da Competência em Gestão dos Serviços de Saúde, instituído pela Ordem dos Médicos, numa cerimónia em Lisboa.

O também professor catedrático aproveitou o momento para se questionar como é que 54% dos portugueses tem pelo menos uma doença crónica e 53% um problema ligado à saúde mental, acrescentando que "é também um problema de gestão" acertar "a percepção com a realidade".

Afirmando-se satisfeito com o prémio, que significa que o que faz é reconhecido, Sobrinho Simões não deixou, no entanto, de fazer críticas ao sistema de saúde, defendendo que os médicos hospitalares deviam ter 30% do seu tempo para investigação e ensino, e disse que "a formação de médicos e especialistas está pior do que há 10 anos".

"Ando aflito com isto", disse aos jornalistas no fim da cerimónia, acrescentado, "gastamos muito com coisas que não são precisas, somos o país a seguir à Grécia com mais aparelhos de TAC, não faz sentido que se façam tantos exames, que sejamos dos países mais medicalizados do mundo".

Numa cerimónia em que recebeu elogios do amigo e também médico Júlio Machado Vaz, agradecimentos "pelo que fez pela medicina" do bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, e elogios do ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, à sua capacidade em falar de coisas complicadas com uma linguagem simples, Sobrinho Simões admitiu que está sempre a trabalhar porque gosta e porque é a sua obrigação.

E, no final, deixou ainda mais uma crítica, esta para todos os portugueses que gostam de tomar medicamentos: "Sentimo-nos doentes. Não queremos fazer exercício, não queremos deixar de fumar, queremos é ter ao fim do dia uma pastilha, uns pingos."

Esta foi a quarta edição do prémio da Ordem dos Médicos, que em anos anteriores distinguiu Paulo Mendo, Manuel Antunes e Eduardo Barroso.