O que tem a comida que ver com o design?

A 1.ª Conferência Internacional de Design de Alimentos e de Estudos Alimentares traz a Lisboa alguns dos grandes especialistas nesta área entre os dias 19 e 21.

Foto

São três dias para discutir “a interdisciplinaridade não limitada ao design de objectos ou serviços mas procurando criar maior consciência em relação a novos estilos de vida e abordagens inovadoras ao tema da comida”. A 1.ª Conferência Internacional de Design de Alimentos e de Estudos Alimentares: Experiencing Food, Designing Dialogues — que acontece entre os dias 19 e 21 na Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa e na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril — traz a Lisboa alguns dos grandes especialistas nesta área.

Charles Spence, do Departamento de Psicologia Experimental da Universidade de Oxford (ver entrevista), falará no dia 19 às 14h45, numa sessão em que participará também Héloise Vilaseca, engenheira química ligada à ciência na cozinha e responsável pelo departamento de pesquisa e investigação do restaurante El Celler de Can Roca.

Nesse mesmo dia de manhã, entre as 9h e as 10h20, o palco pertence a Fabio Parasecoli, director de Food Studies Iniciatives na The New School, em Nova Iorque, e autor de livros como Bite Me! Food in Popular Culture, Cultural History of Food (seis volumes, co-editado com Peter Scholliers), Al Dente: a History of Food in Italy e o recente Feasting Our Eyes: Food, Film and Cultural Identity in the US. Na mesma sessão falará também Sonia Massari, directora do Gustolab International Institute for Food Systems and Sustainability Studies, em Roma.

No dia 20, entre as 9h e as 10h, Sonja Stummerer e Martin Hablesreiter, a dupla Honey & Bunny, arquitectos que abriram em Viena um estúdio que se tem dedicado ao food design, vão falar sobre o seu trabalho. À tarde, a partir das 14h45, será o momento para ouvir Alison J. Clarke, professora de História do Design na Universidade de Artes Aplicadas, em Viena, e fundadora da Papanek Foundation, que falará sobre as retro foods e a sua importância cultural. A sessão terminará com uma apresentação do chef português Pedro Pena Bastos.

O sábado, último dia da conferência, encerrará com um jantar pensado pelos alunos do Mestrado em Inovação em Artes Culinárias, da Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril, em torno da obra da escritora britânica Angela Carter, cujo livro de contos The Bloody Chamber serviu de inspiração a pratos que contarão histórias, mostrando como design a gastronomia se podem cruzar com outras disciplinas, neste caso a literatura.
Programa completo em www.experiencing-food.com.

Este artigo encontra-se publicado no P2, caderno de domingo do PÚBLICO