Supremo Tribunal de Recurso abre caminho a julgamento do Presidente Zuma

O líder sul-africano tinha recorrido contra a decisão do Supremo , que considerou que o político deve ser julgado pelas acusações de corrupção.

Mike Hutchings
Foto
Mike Hutchings

O Supremo Tribunal de Recurso da justiça sul-africana abriu caminho esta sexta-feira ao julgamento do Presidente Jacob Zuma por corrupção, avança a Associated Press. O Presidente sul-africano enfrenta vários escândalos e acusações de má gestão.

Zuma tinha apresentado um recurso contra o Supremo Tribunal por, em Abril de 2016, ter considerado "irracional" a decisão do Ministério Público, tomada em 2009, de impedir o líder sul-africano de enfrentar as 783 acusações de que era alvo.

As acusações contra o Presidente sul-africano remontam a 2007, quando o líder do Congresso Nacional Africano (ANC) foi acusado de corrupção e evasão fiscal, devido a um negócio milionário de armas no valor de 4,8 milhões de dólares, quando era vice-presidente.

Dois anos depois do início do julgamento, o Ministério Público retirou as acusações, o que permitiu a sua eleição em 2009, data desde o qual é Presidente. Entre as acusações está a utilização de 16 milhões de euros de fundos estatais na renovação da sua casa. Zuma é também duramente criticado pela sua crescente proximidade à família Gupta, um clã milionário sul-africano que é acusado de influenciar uma série de decisões políticas.

O actual líder sul-africano, de 75 anos, deixará a liderança do partido em Dezembro e está constitucionalmente impedido de concorrer a um segundo mandato após as eleições gerais de 2019. Actualmente, o país enfrenta uma recessão económica e tem mais de um quarto da sua população activa desempregada.

Recentemente conseguiu evitar uma moção de censura no Parlamento.