Cinco aldeias evacuadas na região Centro devido a incêndio com cinco frentes

Fogo começou de madrugada em Pampilhosa da Serra e está a ser combatido por 355 homens. Situações em Ribeira de Pena e Amarante também preocupam Protecção Civil.

As autoridades dizem que é ainda imprevisível saber quando será possível dominar a situação na Pampilhosa da Serra
Foto
As autoridades dizem que é ainda imprevisível saber quando será possível dominar a situação na Pampilhosa da Serra LUSA/PAULO NOVAIS

Um incêndio de grandes proporções obrigou à evacuação de cinco aldeias nos concelhos de Arganil e Pampilhosa da Serra, entre a madrugada e a manhã deste sábado, avança ao PÚBLICO fonte da Protecção Civil.

As autoridades dizem que é ainda imprevisível saber quando será possível dominar a situação dada a sua “severidade”. O fogo, que começou por voltas das 23h30 desta sexta-feira, tem cinco frentes activas e está a ser combatido por 355 bombeiros.

As chamas deflagraram de noite no concelho de Pampilhosa da Serra e avançaram rapidamente. Cerca das 5h00, as aldeias de Ribeiro, Teixeira e Água de Alte foram evacuadas por precaução. Durante a manhã, também as populações de Porto Castanheiro e Parrozelos, já no concelho de Arganil, foram retiradas de suas casas pelas autoridades, antecipando o avanço do fogo.

Também duas estradas nacionais, a EN 508 e a EN 504, tiveram que ser cortadas ao trânsito.

O incêndio lavra “numa zona de povoamento misto e mato” com “elevada densidade combustível”, explica ao PÚBLICO o comandante de serviço da Autoridade Nacional de Protecção Civil, Pedro Araújo. “Há muito [material] disponível para arder”, sublinha o mesmo responsável.

Os ventos fortes que se fazem sentir e as altas temperaturas estão também a facilitar a propagação do incêndio.

O fogo de Pampilhosa da Serra tem “alguma severidade” e não permite à Protecção Civil antecipar “a hora que será possível dar a situação como dominada”, acrescenta Pedro Araújo.

As chamas têm cinco frentes activas, uma das quais virada ao concelho de Arganil. No local estão 355 bombeiros e 108 viaturas. A Protecção Civil mobilizou também cinco dispositivos aéreos de combate a incêndios para apoiarem as operações.

O incêndio de Pampilhosa da Serra não é o único que inspira especiais cuidados da parte da Protecção Civil. Há fogos em Ribeira de Pena e Amarante que também estão a mobilizar muitos meios de combate neste sábado.

No primeiro caso, os “ventos muito fortes” e “acessos difíceis aos meios terrestres” dificultam o trabalho dos 65 homens no local, que estão a ser apoiados por 20 viaturas e dois aviões.

Há também dois dispositivos de combate aéreo a incêndios em Amarante, numa operação com duas frentes, que lavra numa zona de mato. Estão no local 73 bombeiros.