Uma actriz, uma bailarina e o futuro do interior de Portugal

Canas 44 tem direcção artística de Victor Hugo Pontes e parte das vivências de Leonor Keil e Rafaela Santos enquanto habitantes de Canas de Senhorim para uma reflexão maior sobre o abandono de uma parte do país.

Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido

Esta história passa-se na vila de Canas de Senhorim, concelho de Nelas, distrito de Viseu, mas poderia passar-se em qualquer outro lugar do interior de Portugal. Está um dia quente e abafado, mas, salvo os velhos que conversam à porta dos cafés, não há vivalma nas ruas. Meia dúzia de carros pontilham a vila aqui e ali e servem para suprir a falta de transportes, mas fora isso estamos numa outra dimensão em que o tempo se arrasta pachorrento. Leonor Keil e Rafaela Santos conhecem esta vila melhor do que ninguém. A bailarina da Companhia Paulo Ribeiro fixou-se aqui durante 17 anos, redescobrindo as raízes da sua família na terra e lançando as suas próprias sementes até ao dia em que partiu para a cidade de novo. Rafaela traçou o percurso inverso. Tudo começou há 11 anos, quando veio passar uns tempos a Canas para desenvolver um projecto com Leonor. Desde aí, nunca mais abandonou a quietude da vila. É a partir das memórias e das experiências das duas artistas que surge Canas 44, um espectáculo do encenador e coreógrafo Victor Hugo Pontes cuja antestreia está marcada para esta quinta-feira, no Auditório do Quartel dos Bombeiros Voluntários locais.

De um lado, uma bailarina que sempre teve um pé no teatro, do outro uma actriz que sempre guardou a dança contemporânea perto do coração. O desafio era fazer com que as duas se encontrassem a meio num espectáculo que pudesse casar as duas artes performativas. Victor Hugo Pontes foi o mestre de cerimónias e trabalhou com Leonor e Rafaela para construir uma peça de teatro que se serve das suas biografias para falar do despovoamento do interior e do abandono e do isolamento que o habitam. “Interessou-me explorar não só o lado de quem vai embora, mas esta esperança de que ainda há gente que sai para o interior. Não é propriamente a norma ou o padrão, mas ainda vai havendo algumas excepções”, explica.

Assim que chegou a Canas, Rafaela Santos começou a cultivar uma relação singular com a vila e com as pessoas, tendo fundado com Fernando Giestas a Amarelo Silvestre, companhia de teatro ali residente. A actriz e encenadora confessa que a tarefa de levar o teatro à comunidade tem sido “uma conquista lenta”, já que nos primeiros anos os trabalhos eram mais facilmente mostrados noutras partes do país do que na própria vila. “Há dois anos começámos a ter um contacto mais directo com a comunidade infanto-juventil e adulta ao fazer alguns ensaios abertos e cursos de teatro”, conta Rafaela, referindo que “há muita vontade e sensibilidade das pessoas em concretizar projectos”.

“Quando aqui cheguei senti que os amigos de Lisboa iam esquecer-se de mim, que nunca mais ia ser convidada para nada”, atira a certa altura na peça, passando de imediato a enumerar com entusiasmo toda a flora e toda a fauna que a rodeia. “Hoje vivo numa casa onde respiro”, afirma com toda a certeza em cena. Leonor Keil também já foi feliz em Canas de Senhorim, ou não fosse esta uma vila que faz parte da história da sua família. O avô, o arquitecto Francisco Keil do Amaral, nasceu e viveu em Canas até aos 16 anos, e há inclusive uma rua baptizada em sua homenagem (exactamente esta em que a peça tem esta quinta-feira a sua antestreia). Foram quase duas décadas passadas entre Canas e Viseu, entre casa e trabalho, que chegaram ao fim quando os filhos entraram na adolescência. “Senti que o meu tempo aqui tinha esgotado, porque cheguei a um ponto em que, enquanto artista, precisava de mais alimento que já não tinha aqui”, reconhece. É esse o desalento a que dá voz no espectáculo no momento em que desabafa: “Tenho dentro de mim sonhos imensos que não podem ser concretizados aqui."

O mapa do desaparecimento

Em Canas 44, Victor Hugo Pontes procura abordar “o mapa do desaparecimento, o que existia e o que já não existe”, e fá-lo através de duas vozes dissidentes que se encontram em palco e que encarnam a partida e a chegada, a melancolia e a tranquilidade de viver no interior. “Interessava-me falar de um lugar que não é especificamente Canas, é um lugar que pode ser em qualquer parte, um lugar em que cada vez existe menos gente”, clarifica o director artístico, estabelecendo o paralelo com À Espera de Godot, de Samuel Beckett, “dado que é como se estas personagens estivessem à espera de alguma coisa ou de alguém que há-de vir”.

Para os menos de cinco mil habitantes de Canas de Senhorim, é fácil distinguir quem vem de fora da terra. “Vais na rua e as pessoas perguntam ‘olhe, mas o teatro é a que horas?’ e ‘quanto é que se paga?’, porque toda a gente sabe que somos do teatro”, refere, recordando o primeiro contacto com um local que se ofereceu para lhe mostrar a vila. “Na altura disse-me: ‘Aqui não há monumentos, não há coisas para ver, aquilo que te vou mostrar são as pessoas’, e eu comecei a aperceber-me de que os lugares são as pessoas."

E se Canas 44 é um espectáculo que se foca numa problemática transversal ao interior do país, o seu carácter localizado celebra não só as histórias de vida das duas artistas em palco – e a capicua que assinalam este ano – mas também os costumes da vila que lhe dá nome. “Existe uma cidade subterrânea aqui debaixo”, atira Leonor a dado momento, aludindo às minas de urânio que têm 500 metros de profundidade e que serviram para a construção das bombas nucleares. “O cenário foi muito inspirado nas minas, porque o carvão se relaciona com a sujidade do que vai ficando e da contaminação que as vai atingindo e que tem a ver também com os problemas que a radiação causou à população”, explica Victor Hugo Pontes.

O espectáculo faz ainda menção aos fornos de ferro fundido que empregavam muitos canenses e à forte tradição de Carnaval que ali se perpetuou. Todos os anos, os bairros rivais Paço e Rossio encontram-se no centro da vila para se enfrentarem num concurso em que cantam ao desafio sem a avaliação de um júri. “Cada bairro desliga o seu sistema de som e o concurso é feito sem amplificação para ver quem é que canta mais alto ou quem é que persiste”, conta o coreógrafo, que se inspirou numa fotografia de um Carnaval de Canas para trazer a palco dois cabeçudos construídos por Lira Amaral, artista plástica e mãe de Leonor Keil.

Canas 44 acaba por ser um regresso à infância e a um lugar onde se brincava na rua com pauzinhos e pedrinhas; um lugar onde tudo era mais simples e puro. Ao mesmo tempo, é uma súplica em nome do interior e das suas gentes que caem cada vez mais no esquecimento. O espectáculo estará no Centro de Arte de Ovar a 28 de Outubro, no Festival Y#13 (Covilhã) a 29 de Novembro e no Centro de Artes do Espectáculo de Sever do Vouga a 2 de Dezembro. Posteriormente, integrará o ciclo Portugal em Vias de Extinção no Teatro Nacional D. Maria II, onde estará em cena de 25 a 28 de Janeiro de 2018.