A maior exposição de sempre da arte de David Lynch na Polónia

Em Novembro, o festival de direcção de fotografia Camerimage comemora os 25 anos e, com ele, vai exibir 400 obras de Lynch, entre pinturas, desenhos, fotografias, anúncios, curtas, telediscos e tudo o mais que o realizador tenha feito.

Foto

Apesar de não fazer um filme desde 2006, David Lynch está a ter um 2017 particularmente entusiasmante. Passados 25 anos após o final, Twin Peaks, a série que criou com Mark Frost, regressou à televisão com uma temporada de 18 episódios ainda mais intrigante e estimulante do que aquilo que tinha vindo antes.

Para fechar o ano, Lynch será um dos convidados de honra do Camerimage, o festival de direcção de fotografia na Polónia – o nome completo é International Film Festival of the Art of Cinematography – no activo desde 1993. Apesar de, de todas as suas longas, Lynch só ter sido director de fotografia de uma: Inland Empire, o tal último filme que saiu em 2006, é alguém com historial no festival que em 2012, por exemplo, montou uma exposição com algumas das suas litografias. Este ano a exposição será bem maior: uma retrospectiva que junta 400 obras do realizador, vindas tanto da sua colecção privada quanto de museus à volta do mundo.

O festival decorre em Bydgoszcz de 11 a 18 de Novembro, mas a exposição, que abre dia 12 no Znaki Czasu, um centro da arte contemporânea na cidade de Torun, vai-se manter aberta até 18 de Fevereiro do próximo ano. Chama-se Silence and Dynamism e reúne pinturas, desenhos, fotografias, anúncios, curtas, telediscos – como os que realizou para nomes como Duran Duran, Moby ou Nine Inch Nails – e tudo o mais que o realizador tenha feito desde que era miúdo nos anos 1950 até aos dias de hoje.