A tecnologia quer deitar-se e acordar connosco

A Amazon lançou novos aparelhos com a assistente virtual Alexa, incluindo uma espécie de despertador inteligente com câmara integrada.

Foto
O Echo Spot pode parecer um despertador convencional Amazon

Em muitas mesinhas de cabeceira, o rádio-despertador deu lugar ao telemóvel. O omnipresente aparelho não apenas permite que o utilizador acorde ao som de inúmeros toques diferentes (e com várias horas de despertar programadas, para evitar percalços), como fica assim ao alcance do braço, pronto para uma vista de olhos ensonada aos emails ou redes sociais.

Mas há mais aparelhos a concorrer pelo lugar de companheiro de cabeceira. Esta semana, a Amazon apresentou o Echo Spot. Tem um formato circular, a fazer lembrar alguns despertadores, e um pequeno ecrã de 2,5 polegadas. Pode mostrar as horas, o tempo, acordar o utilizador com um alarme e dar informações como, por exemplo, o trânsito no caminho para o trabalho. Também tem uma câmara e um microfone – o que tanto pode servir para ligar a alguém, como para os adultos vigiarem à distância o que se passa no quarto das crianças. Porém, ter uma câmara apontada para a cama durante toda a noite implicará por parte dos compradores uma boa dose de confiança na Amazon e na segurança deste dispositivo.

A empresa lançou também uma nova versão da coluna inteligente Echo e ainda a coluna Echo Plus, com a qual promete uma ligação rápida a outros dispositivos inteligentes que existam na casa. Com estas colunas, as televisões, lâmpadas, termostatos e fechaduras inteligentes (a tecnologia existe, está longe de massificada)  podem ser controlados por voz. 

Há mais empresas nesta corrida. O Google tem a coluna inteligente Echo, e a Apple, a HomePod, que integra a assistente Siri. O objectivo é simples: estas empresas planeiam um dia desligar-nos a televisão, apagar as luzes à noite e estar ao nosso lado quando acordarmos, prontas a dizer-nos o tempo que vai fazer e dar sugestões sobre o que vestir.

Os aparelhos da Amazon têm a assistente virtual Alexa  (os nomes tendem a ser femininos), que pode ser programada ao gosto do utilizador. Exemplifica a Amazon que para desligar as luzes e trancar a porta de casa, pode ser usado um simples comando de voz. Basta dizer "Alexa, boa noite."

A rubrica Tecnologia encontra-se publicada no P2, caderno de Domingo do PÚBLICO