Mais de 60 desaparecidos em naufrágio de barco com rohingyas

Desde que o Exército birmanês lançou uma ofensiva no estado de Rakhine, após um ataque de rebeldes a 25 de Agosto, mais de meio milhão de rohingyas chegaram ao Bangladesh, em fuga da violência.

Uma mulher chora pela morte de familiares
Foto
Uma mulher chora pela morte de familiares Reuters/CATHAL MCNAUGHTON

A polícia do Bangladesh recuperou nesta sexta-feira os cadáveres de quatro crianças, elevando para 20 os mortos devido ao naufrágio na quinta-feira de uma embarcação com rohingyas.

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) indicou que mais de 60 pessoas desapareceram no naufrágio.

“Ao amanhecer recuperámos quatro corpos de crianças que flutuavam perto da costa”, disse Kai Kislu, inspector da polícia do subdistrito de Ukhia, em Cox's Bazar, no Sudeste do país.

O responsável explicou que foram recuperados 14 cadáveres de crianças e seis de mulheres.

Os moradores da zona resgataram outras 27 pessoas que tinham caído ao mar, nove das quais agora internadas num hospital de Ukhia.

A OIM disse que alguns sobreviventes asseguraram que cerca de uma centena de pessoas viajava no barco, que se afundou na quinta-feira no golfo de Bengala, perto da localidade de Shamlapur.

“O destino de cerca de 68 rohingyas [que estavam] no barco continua a ser desconhecido, dado que o vento e a chuva persistem”, disse a OIM, em comunicado, apontando terem sido resgatadas 17 pessoas.

Autoridades policiais, bombeiros e guardas fronteiriços estão a procurar sobreviventes, indicou a fonte policial.

As autoridades do Bangladesh recuperaram já os cadáveres de 133 rohingyas que morreram desde o passado dia 25 de Agosto, quando se verificou um surto de violência na Birmânia.

Desde que o Exército birmanês lançou uma ofensiva no estado de Rakhine, após um ataque de rebeldes a 25 de Agosto, mais de meio milhão de rohingyas chegaram ao Bangladesh, em fuga da violência.

A maioria dos rohingyas entra no Bangladesh por terra, através de Cox's Bazar ou Bandarbam, pelo rio Naf, que serve de fronteira natural entre os dois países, ou por mar para chegar à costa sudeste do Bangladesh.