Torne-se perito

Novo terminal de cruzeiros abriu e fechou no mesmo dia. Está em “abertura beta”

A nova gare do Porto de Lisboa recebeu os primeiros passageiros, mas voltou a fechar para a conclusão das obras. A previsão agora é de que a abertura só aconteça “daqui a um ou dois meses”.

Fotogaleria
Mário Lopes Pereira
Fotogaleria
Mário Lopes Pereira
Fotogaleria
Mário Lopes Pereira

O novo terminal de cruzeiros do Porto de Lisboa recebeu, na segunda-feira, os primeiros passageiros. O momento foi acompanhado pela ministra do mar, Ana Paula Vitorino, que considerou que a infra-estrutura estava “pronta para acolher o crescimento previsto do Porto de Lisboa na área dos cruzeiros de turnaround [onde decorre embarque e desembarque de passageiros]”, pode ler-se num comunicado enviado às redacções pela Administração do Porto de Lisboa (APL). No entanto, nesse mesmo dia, o terminal voltou a fechar para a conclusão das obras. Mas se o director do terminal admite que a nova gare está a funcionar ainda a meio gás, a APL garante que o edifício está a funcionar em pleno. 

Para já, é só uma “abertura beta”, afirmou ao PÚBLICO o director do terminal, Ricardo Ferreira, admitindo que a entrada em pleno funcionamento da nova gare só deverá acontecer “daqui a um ou dois meses”. No entanto, a APL reiterou que “o terminal está em pleno funcionamento”, embora “tenha sido considerado adequado, em período eleitoral, não realizar qualquer cerimónia de inauguração oficial”. 

Porém, o PÚBLICO visitou o local e encontrou-o fechado. Ricardo Ferreira confirmou e referiu que a nova gare está ainda em fase de “testes e avaliações” enquanto são concluídos os acabamentos. Foi, de resto, esse o principal objectivo “desta pequena abertura”: a de testar determinado tipo de operações e melhorá-las “o mais depressa possível enquanto as equipas ainda estão na obra”. 

A “inauguração oficial”, contudo, só está prevista para depois das eleições autárquicas, salientou a ministra do mar, dizendo que o acompanhamento da entrada em funcionamento da gare se tratava apenas de “uma visita de trabalho”. Também a presidente da APL, Lídia Sequeira, e o director do terminal, acompanharam na segunda-feira a chegada dos primeiros passageiros à nova gare. 

No primeiro dia de vida, o novo terminal de cruzeiros recebeu cerca de 3500 pessoas que viajavam a bordo do navio Monarch. Foi a última paragem de uma viagem que começou em Warnemunde, na Alemanha, e o embarque para um cruzeiro de oito dias que partiu em direcção ao Funchal e que tinha como destino as Ilhas Canárias.

Foi o primeiro a atracar na nova gare que já esteve para ser inaugurada em Maio, depois no Verão, e a previsão agora é de que aconteça “daqui a um ou dois meses, no máximo”, apontou Ricardo Ferreira. 

Ao PÚBLICO, o responsável explicou que os sucessivos atrasos na entrada em funcionamento do novo terminal se justificam devido à “complexidade da própria obra”. “É o preço a pagar por toda esta inovação e tecnologia”, diz Ricardo Ferreira. O projecto, iniciado em 2007 pela APL, no âmbito das Orientações Estratégicas para o Sector Marítimo Portuário, ficou a cargo da Lisbon Cruise Terminals que, desde 2014, detém a concessão do terminal de cruzeiros. Envolveu um investimento privado de quase 23 milhões de euros e previu a construção de um novo cais e a reabilitação do existente. 

Da autoria do arquitecto Carrilho da Graça, o projecto do novo terminal ocupa uma área de 13.800 metros quadrados, dividida por três andares, e “vai ser pioneiro na sua vertente artística e arquitectónica”, diz o director, ao incluir, por exemplo, um agregado de cortiça e betão que terá características isolantes térmicas e acústicas.
Mas, apesar dos atrasos, garante que o acompanhamento das operações de chegada de passageiros Lisboa continua a decorrer “com normalidade”, recorrendo quer ao terminal de Santa Apolónia, quer ao do jardim do Tabaco. Quanto ao novo, até estar a funcionar a 100%, “abrirá sempre que for necessário abrir”, sublinhou. 

O novo cais de desembarque tem 1490 metros o que permite receber cruzeiros de média dimensão, com um calado (distância entre a quilha do navio e a linha de flutuação) até 12 metros. Está a ser finalizado um sistema de acesso aos navios através de duas mangas (semelhantes às dos aeroportos), ligadas a uma passerelle com 600 metros, que dará acesso ao terminal por três passadiços.

A parte exterior do terminal conta com 360 lugares de estacionamento público, 80 lugares para autocarros, táxis e carros turísticos, que estão ainda a ser concluídos. A APL sublinhou que "os arranjos dos espaços exteriores" estão a decorrer "dentro dos prazos contratualmente fixados, que são muito posteriores aos da conclusão do edifício", que vai incluir também um terraço panorâmico sobre o rio Tejo. 

2018 será o melhor ano de sempre 

De acordo com os dados avançados pela APL, o terminal deverá receber, este ano, 337 escalas e 524 mil passageiros. Se se verificarem estes números, será um crescimento de cerca de 8% do número de escalas face a 2016, o que fará de 2017 o segundo melhor ano de sempre da actividade de cruzeiros no Porto de Lisboa. O melhor foi em 2013 quando passaram pelo terminal 353 navios, envolvendo 558 mil passageiros.

Mas, nas previsões do Porto de Lisboa, 2018 será o melhor ano de sempre na actividade de cruzeiros na cidade, com a chegada de 361 navios e de 617 mil passageiros. 

Segundo estimativas do Governo, a nova infra-estrutura deverá gerar um “impacto directo e indirecto na economia superior a 100 milhões de euros até 2020”. 

Recorde-se que, em Setembro do próximo ano, Lisboa vai acolher uma das maiores feiras de cruzeiros do mundo, a Seatrade Cruise Med. São “obra e passos concretos importantes para fazer acontecer o mar", considerou a ministra na mesma cerimónia. 

O PÚBLICO tentou obter mais esclarecimentos junto do Ministério do Mar que remeteu as questões para a APL.