Praça do Parlamento em Londres vai ter primeira estátua de mulher

Para o mayor de Londres, a estátua de Millicent Fawcett simboliza a "força e determinação" das sufragistas e poder ser uma inspiração para as gerações futuras.

Foto
Reuters/NEIL HALL

Millicent Fawcett, uma das mulheres que mais se destacou na luta pelo direito das mulheres ao voto no Reino Unido, vai ser homenageada com uma estátua na Praça do Parlamento, em Londres, que recebe assim a primeira estátua de uma mulher. A autorização para a colocação do monumento foi concedida na terça-feira pela Câmara Municipal de Londres. 

A escultura vai ser revelada no próximo ano, altura em que se celebra o centenário do direito das mulheres britânicas ao voto, instituído em 1918.

“Queremos que esta estátua mostre a força e a determinação das mulheres que dedicaram as suas vidas a lutar pelo sufrágio feminino e que inspire as gerações seguintes”, afirmou o mayor de Londres, Sadiq Khan, num comunicado citado pela Reuters.

O movimento pela construção da estátua começou em Maio de 2016, lançado por Caroline Criado-Perez. A activista decidiu criar a campanha depois de constatar que todas as 11 estátuas presentes na praça londrina representavam homens. De acordo com o Independent, a petição foi apoiada pela actriz Emma Watson e pela escritora J.K. Rowling e reuniu 85 mil assinaturas.

Millicent Fawcett vai ser representada com 50 anos, segurando um cartaz com a inscrição: “A coragem chama a coragem em todos os lugares”. A frase foi proferida por Fawcett no decorrer de um discurso após a morte da sufragista Emily Davison, em 1913.

Gillian Wearing, vencedora do Prémio Turner, um dos mais prestigiados prémios de artes do Reino Unido, vai ser a autora do monumento. “Estou muito feliz que tenham aprovado a colocação da estátua”, referiu, citada pela Reuters.

“Agora a estátua de Millicent Fawcett pode ficar em pé de igualdade com as estátuas de homens na Praça do Parlamento”, sublinhou a artista. Gillian Wearing vai ser a primeira escultura com uma criação patente naquela praça, onde estão estátuas de Winston Churchill, Nelson Mandela, Gandhi e outras personalidades históricas.

“Precisamos de estátuas de mulheres em todas as praças e nas principais cidades. Sobre quem comemoramos e celebramos diz muito sobre quem valorizamos”, referiu Sam Smethers, a responsável pela Associação Fawcett.

Millicent Fawcett lançou em 1897 a União Nacional de Sufragistas Femininas, tendo lutado pela igualdade de direitos também no acesso à educação. 

Sugerir correcção