Desemprego registado aumenta ligeiramente em Agosto

Centros de emprego tinham mais de 418 mil desempregados registados. Subida em Agosto tem sido regra nos últimos seis anos.

Desemprego anual continua a cair
Foto
Desemprego anual continua a cair Nuno Ferreira Santos

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego em Agosto aumentou ligeiramente em relação ao mês anterior para 418.235 pessoas, mas continuou a cair em relação a 2016. Os números foram divulgados esta terça-feira pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP).

Na comparação com Agosto de 2016, o desemprego registado caiu 16,1% (menos 80.528 pessoas). Porém, quando se olha para a evolução mensal, houve um ligeiro agravamento, de 0,5%, em relação a Julho.

Este aumento de Julho para Agosto não é inédito e tem-se verificado nos últimos seis anos. Este aumento, que se traduz em mais 1960 pessoas desempregadas, pode ser atribuído à entrada nas listas de pessoas que acabaram o seu percurso escolar, dado que verificou-se um acréscimo no número de jovens (+3,3%) e de pessoas à procura do primeiro emprego (+3,6%), sendo que os únicos níveis de habilitação em que o desemprego cresceu foram o ensino secundário (+1,5%) e, sobretudo, o ensino superior (+4,6%).

O número de desempregados de longa duração diminuiu 1% em relação ao mês anterior, para 210 mil pessoas, e ficou 14,1% abaixo do número registado em igual período do ano passado.

Olhando para o movimento de desempregados ao longo do mês (que permite ter uma ideia mais precisa do que se está a passar no mercado de emprego, uma vez que os dados não podem ser influenciados pelo maior ou menor número de anulações ou de saída temporária das listas para acções de formação), o IEFP dá conta de 42.596 desempregados, número que representa um decréscimo face ao mesmo mês de 2016 (-15,4%) e ao mês de Julho (-1,8%).

As ofertas de emprego recebidas em Agosto totalizaram 10.444 em todo o país, mais do que no mês homólogo (8,9%) e menos do que no anterior (-9,0%). As actividades imobiliárias, administrativas e dos serviços de apoio, o comércio e a construção foram as áreas mais dinâmicas. Foram colocados 7019 desempregados, um número inferior a 2016 e superior a Julho.