União Europeia atribui 120 milhões de euros para desenvolver wi-fi público

O projecto WiFi4EU, discutido há meses, foi aprovado pelo Parlamento Europeu. O objectivo é aumentar os acessos à Internet em hospitais, parques ou bibliotecas.

Autoridades locais não poderão utilizar os dados de navegação dos utilizadores para fins comerciais
Foto
Autoridades locais não poderão utilizar os dados de navegação dos utilizadores para fins comerciais ADRIANO MIRANDA

A União Europeia vai avançar com o esquema de financiamento – no valor de 120 milhões de euros – para a instalação de milhares de estações de wi-fi gratuito em locais públicos da Europa a partir de 2018. O projecto WiFi4EU, discutido há meses, foi aprovado esta terça-feira pelo Parlamento Europeu (com 582 votos a favor, 98 contra e nove abstenções).

O objectivo é aumentar os acessos à Internet em hospitais, parques, bibliotecas e outros locais públicos no continente. “A Comissão considera que a União Europeia está atrasada em relação a outras nações industrializadas, como a Coreia do Sul e o Japão, quando se trata de acesso a internet rápida e fixa”, lê-se no briefing da sessão desta terça-feira.

O Parlamento Europeu esclarece – num comunicado publicado após a decisão – que os fundos serão distribuídos de forma “geograficamente equilibrada” ao longo de mais de seis mil comunidades dos Estados-membros. Os primeiros países a enviar pedidos de financiamento terão prioridade.

“No longo prazo, temos de levar o Wifi4Eu a todas as vilas e cidades”, frisa, porém, o eurodeputado português socialista Carlos Zorrinho, em comunicado. Foi o relator principal do Parlamento Europeu sobre esta iniciativa. “Todos os europeus devem ter acesso a uma boa ligação de wi-fi independentemente de onde vivam ou quanto ganhem", acrescenta Zorrinho.

Há algumas restrições e critérios de elegibilidade: embora a União Europeia financie os custos de instalação, a manutenção dos serviços de wi-fi fica a cargo das diferentes autoridades públicas locais, e os fundos só são desbloqueados se as autoridades locais concordarem em não utilizar os dados de navegação dos utilizadores para fins comerciais.

Além disso, o Parlamento Europeu quer que os potenciais utilizadores das novas redes de wi-fi saibam que a disponibilidade dos serviços foi financiada pela União Europeia.

"As negociações sobre o orçamento foram difíceis", confirma a eurodeputada conservadora francesa Anne Sanders e co-relatora do Wifi4EU. "Garantimos 120 milhões de euros, mas sabemos que não é o suficiente para cobrir as necessidades de centenas de milhares de municípios europeus." O desafio, diz Sanders, é promover as áreas rurais e criar um sistema simples que escape à "burocracia" associada aos fundos europeus, permitindo que pequenos municípios participem facilmente.