O Verão da minha vida

Os anos 80 são o melhor Verão de Filipe Melo

A estação de comboios em Tondela era uma casa assombrada. O condutor do barco na Fuzeta era o ‘quase-humano’. E havia um pinhal que era o cenário perfeito para histórias de terror com bonecos Playmobil. As férias grandes do músico e argumentista Filipe Melo davam um filme.

Fotogaleria
DR
Fotogaleria
Filipe Melo, de 39 anos, é músico, argumentista e realizador PÚBLICO

Filipe Melo está sentado na cave da sua casa de família na aldeia de Mouraz, em Tondela, e à volta está a sua infância. Nas prateleiras há cassetes VHS com filmes como Piranha, Robocop, Regresso ao Futuro ou Canibal Feroz. E livros das Aventuras Fantásticas da Verbo: A Cidadela do Caos, O feiticeiro da Montanha de Fogo. E, conservado imaculadamente, o computador ícone dos anos 80: o ZX Spectrum. Ali vive também a memória de grande parte dos verões do músico e argumentista. “Tive muitos verões repetidos”, assegura.

Se rebobinasse a cassete dessa época, o filme era praticamente o mesmo. “O verão da minha vida é uma mistura de verões”, recorda, “vividos entre a Fuzeta e Tondela”. Entre as férias da praia e as da aldeia, havia sempre um denominador comum: a imaginação de um miúdo que devorou a década de 80, da música ao cinema. Das férias na Fuzeta salta a primeira memória “incrível”: “Era o condutor da traineira que nos levava à ilha e que tinha um camaleão ao ombro”, lembra Filipe. Para um miúdo de dez anos fã de filmes de aventuras como Os Caça-Fantasma (1984), Goonies (1985) ou a saga Star Wars, as viagens no pequeno barco eram terreno fértil para a fantasia. “A alcunha que arranjámos para aquele que era possivelmente o ser humano mais feio que eu já vi na minha vida era o ‘quase-humano’. Ele era realmente feio”.

PÚBLICO -
Foto
Filipe Melo com a família na casa de férias da Fuzeta, 1984 DR

Também a casa na Fuzeta, que os pais de Filipe Melo alugaram para umas férias em família que incluíam os dois irmãos mais velhos, os tios e primos, era digna de argumento cinematográfico. “Os meus pais queriam uma casa mesmo à beira da praia. Nós imaginámos uma vivenda brutal”, recorda, “mas quando lá chegámos tinham escrito ‘filho-da-puta’ na parede da casa e não havia chuveiro, tínhamos de tomar banho de mangueira”. Numa das fotografias da altura, Filipe Melo encontrou a prova de que não é a sua memória, trinta anos depois, a pregar-lhe uma partida. Lá está a família à mesa numa noite de Verão, os cortes de cabelo e roupas dos anos 80, as caras bronzeadas, e a parede com a inesperada inscrição. E Filipe, o miúdo, em pose para a câmara fotográfica, com uma moeda no olho (qual vilão) e uma t-shirt do filme Os Caça-Fantasmas.

Tondela, o “sítio mágico”

Na “aldeia minúscula” de Mouraz, em Tondela, outros elementos compunham um enredo digno de thriller cinematográfico da década de 80: um pinhal isolado, uma estação de comboios abandonada, um videoclube e uma bicicleta bmx. “Agarrava na bmx e ia até Tondela, ao videoclube Joker. O dono era um coleccionador que alugava os filmes mais incríveis”, conta. Filmes que por norma estariam escondidos na parte de trás da prateleira, e inacessíveis a uma criança de dez anos: Cartas de Amor de uma Freira Portuguesa (1985), tido como o primeiro filme erótico feito em Portugal, com Ana Zannatti e Herman José. Ou o filme de terror italiano Canibal Feroz (1981), com muito sangue, nudez e, claro, canibalismo.

No videoclube Joker, assegura Filipe, havia de tudo. E um dos desafios de Verão era descobrir entre as já revisitadas capas das cassetes os filmes que ainda não se tinha visto. Quando a bmx não o levava até à cidade, levava-o à estação de comboios abandonada de Tondela. “Íamos para lá partir vidros e coisas estúpidas que os miúdos fazem. Parecia uma casa assombrada”, explica. Foi lá que fez as primeiras experiências de realização, com uma câmara Super VHS que os primos levavam para as férias: “Eram sempre filmes de terror, obviamente. Alguém que era esfaqueado, psicopatas com ancinhos. E depois havia o serão para exibir aquilo à família”. Em 2003, Filipe, já graúdo, realizou a curta-metragem I’ll see you in my dreams (Prémio Fantasporto em 2004), e levou a história de uma praga de zombies aos locais que lhe marcaram os verões: “Já conhecia tudo o que queria filmar”, explica, o que incluía também o pinhal isolado situado perto da casa de família e que serviu depois de cenário para realizar um videoclipe da banda Moonspell.

PÚBLICO -
Foto
Filipe Melo, 1981 DR

Dos filmes “ultra-criativos” que criou aos 10 anos, conseguiu resgatar apenas um: uma história em stop motion, feita com bonecos Playmobil. “Tinha a ver com um psicopata que persegue uma pessoa que lhe roubou uma batata”.

“Voltar a ser quem eras”

Estamos em meados de Agosto, e é a partir da casa de Mouraz que Filipe Melo fala ao telefone com o PÚBLICO. Está numa espécie de retiro. “Estou a trabalhar num novo livro de banda desenhada daqueles grandalhões. Olho à volta para estes objectos e tenho uma disponibilidade mental que não tenho em Lisboa. Aqui é pensar em histórias.” Histórias como as que criou para a premiada trilogia de banda-desenhada As aventuras de Dog Mendonça & Pizzaboy - que o argentino Juan Cavia ilustrou - editadas entre 2010 e 2013. Livros que viriam a ser publicados nos EUA pela editora Dark Horse Comics, pela mão de John Landis (realizador de filmes como Um Lobisomem Americano em Londres e do videoclipe Thriller de Michael Jackson), um dos realizadores venerados por Filipe Melo. John Landis prefaciou o primeiro volume da sequela. George Romero, realizador-referência nos filmes de terror e pioneiro nas histórias de zombies (A Noite dos Mortos-Vivos e A Maldição dos Mortos-Vivos) assinou o segundo. Filipe chegava assim até aos ídolos de infância, criadores do imaginário que foi pano de fundo das suas brincadeiras de Verão. “Acabou por se tornar um bocadinho naquilo que eu faço. Até mais do que o piano, que é a minha profissão, as histórias e os filmes são uma consequência de estar aqui de férias”, conclui. Disso e de não ter um piano por perto durante esses verões. O piano apareceria mais tarde, aos 15 anos, depois de ter sido detido por pirataria informática. Depois do Spectrum e de um Commodore Amiga, os pais acederam a comprar-lhe um modem de 1200kbps que Filipe Melo levava para Tondela. “Já era tão obcecado por tecnologia que trazia o modem para aqui. Desligava os fios de telefone da minha avó e ligava-me através da linha telefónica. Mas era a pré-história” da Internet, explica.

Os verões da adolescência acabariam por trazer mudanças: “O meu irmão levava-me com ele a festivais de música de verão lá fora, como o Reading ou o Monsters of Rock”, em Inglaterra. “Isso substituiu um bocado o Algarve, mas Tondela continua igual até ao dia de hoje”. Com uma diferença: o videoclube Joker já não existe. Fechou há seis anos. “Houve uma venda que me partiu o coração”, conta. Filipe Melo acabaria por comprar parte do espólio de filmes gore. “Mas com muita pena, queria que se mantivesse lá.”