Pelo menos 18 pessoas morreram em ataque terrorista no Burkina Faso

As autoridades abateram dois suspeitos.

Foto
REUTERS/Reuters TV

Pelo menos 18 pessoas morreram e nove ficaram feridas na sequência de um ataque durante este domingo, na capital de Burkina Faso, Ouagadougou. O ataque aconteceu pelas 21h30 locais (22h30 em Lisboa) num restaurante turco, o Aziz Istanbul, onde vários homens entraram a disparar. Terá sido concretizado por alegados jihadistas, avança o Governo do país, citado pela Reuters. As nacionalidades das vítimas ainda não são conhecidas.

De acordo com o ministro das Comunicações, Remi Dandjinou, as autoridades mataram dois suspeitos. Inicialmente, os primeiros dados indicavam que seriam três os suspeitos abatidos, mas o número foi posteriormente revisto. O governante classificou o episódio como um “ataque terrorista”.

Pelo menos uma das vítimas mortais era de nacionalidade turca, detalhou o ministro dos Negócios Estrangeiros turco. Entre os feridos estará ainda outra vítima da Turquia. Há ainda relatos de que outra das vítimas era francesa, escreve a BBC. No entanto, não existe ainda uma confirmação oficial. 

A embaixada francesa não deixou, no entanto, de aconselhar os cidadãos a manterem-se afastados da área e afirmou que está em contacto com as autoridades locais.

O local do ataque deste domingo localiza-se apenas a cerca de 200 metros do café Capuccino onde, em Janeiro, cerca de 30 pessoas de 18 nacionalidades diferentes morreram - incluindo um português -, e 126 foram resgatadas, após terem sido feitas reféns por terroristas que invadiram um hotel na capital do país. O ataque foi reclamado por militantes ligados à Al-Qaeda no Magrebe Islâmico.

O Burkina Faso, um dos países mais pobres do mundo, faz fronteira a Norte e Leste com dois grandes países – o Mali e o Níger – onde os militantes islâmicos usam o deserto do Sara para se esconderem e também para múltiplos tráficos.