Wang Bing e Isabelle Huppert: prémios certinhos nos 70 anos de Locarno

Júri de Olivier Assayas não acompanhou os riscos que a programação do festival correu, deixando por premiar alguns dos melhores filmes de 2017 num palmarés honroso mas consensual.

Fotogaleria
Wang Bing mostra o Leopardo de Ouro que venceu com Mrs. Fang LUSA/URS FLUEELER
Fotogaleria
Juliana Rojas e Marco Dutra receberam o Prémio Especial do Júri LUSA/URS FLUEELER

Para os seus 70 anos, Locarno saiu-se com uma competição de excelente nível – não que se dê por isso no palmarés do júri presidido por Olivier Assayas, que se ficou por uma escolha bastante certinha e consensual, anunciada na tarde de sábado em conferência de imprensa.

Na competição principal, o Leopardo de Ouro foi entregue a um habitué do circuito de festivais, o chinês Wang Bing (por três vezes vencedor do Doclisboa), pelo seu mais recente olhar sobre o quotidiano da China, Mrs. Fang, que acompanha os últimos dias de uma idosa com Alzheimer. Isabelle Huppert, talvez a maior actriz do mundo neste momento, recebeu o prémio de melhor interpretação feminina pelo seu papel de uma professora à beira de um ataque de nervos em Madame Hyde, de Serge Bozon.

Para “compensar” essa “falta de surpresa”, dois dos filmes mais arrojados narrativamente do festival foram premiados: o “fenómeno” brasileiro As Boas Maneiras, da dupla Juliana Rojas e Marco Dutra (com fotografia do português Rui Poças), sobre uma babá contratada para ajudar uma mãe solteira paulista que não sabe no que se está a meter, levou o prémio especial do júri; 9 Doigts, série B entre o policial negro e o fantástico onírico, do francês F. J. Ossang, filmado em parte em Portugal, recebeu o galardão de melhor realização. O prémio de melhor actor foi entregue ao dinamarquês Elliot Crosset Hove pela primeira longa-metragem do islandês Hlynur Palmason, Winter Brothers, onde interpreta um jovem rebelde cujo comportamento associal lhe cria sérios problemas.

É um palmarés relativamente consensual, mas que não reflecte forçosamente os títulos mais arriscados da programação – obras como Dragonfly Eyes, de Xu Bing, Did You Wonder who Fired the Gun?, de Travis Wilkerson, ou Good Luck, de Ben Russell –, mesmo que As Boas Maneiras corra riscos suficientes para toda uma temporada de filmes. O talento imenso de Isabelle Huppert e a sua vontade constante de se reinventar a cada novo filme já não são surpresa para ninguém, e Wang Bing é um dos mais unânimes autores do documentário contemporâneo, o que jogava um pouco contra a sua presença no palmarés de um festival que se define como apoiante dos cineastas “do presente” (vai-se a ver, só mesmo As Boas Maneiras e Winter Brothers são filmes “de jovens”).

Se Winter Brothers, filme confrontacional mas algo vistoso, e que foi ganhando tracção ao longo dos dez dias de festival, era apontado como possível candidato, já a vitória de 9 Doigts foi uma surpresa. A quinta longa-metragem do realizador francês, cuja carreira de 30 anos foi recém-homenageada no Curtas do Vila do Conde, é uma variação estilizada sobre o mito do navio-fantasma em tom de série-B onírica-surrealista; com um elenco que inclui Paul Hamy, Pascal Greggory e Diogo Dória, é mais lânguida e sisuda que obras anteriores, como Dharma Guns ou Le Trésor des îles Chiennes, e não tinha aquecido grandemente os ânimos.

No concurso secundário Cineasti del Presente, que teve uma selecção bastante consistente, mas onde não se destacou um título em particular, o júri presidido por Yousry Nasrallah deu o prémio máximo a um dos melhores filmes apresentados: ¾, do búlgaro Ilian Metev, que conta em tom documental alguns dias na vida de uma família sem mãe. O grande prémio do júri foi para Milla, segunda obra da francesa Valérie Massadian, sobre o processo de aprendizagem de uma adolescente que engravida e perde o namorado, e o prémio de realizador emergente foi para o coreano Kim Dae-hwan por The First Lap, história de um casal que vai visitar a família quando sabe que a mulher está grávida.

A secção paralela Signs of Life, na sua primeira edição competitiva, premiou Cocote, do dominicano Nelson Arias, uma das melhores surpresas do festival, enquanto o júri da melhor primeira obra, transversal a todo o certame, escolheu Scary Mother, da georgiana Ana Urushadze, exibido nos Cineasti del Presente. O concurso Pardo di Domani de curtas-metragens premiou a produção portuguesa António e Catarina, de Cristina Hanes, na categoria internacional, e Rewind Forward, de Justin Stoneham, na categoria suíça. O prémio do público, votado pelos espectadores das sessões ao ar livre na Piazza Grande, foi para o surpreendente drama de suspense alemão Three Peaks, de Jan Zabeil, onde a relação complicada entre um miúdo e o novo namorado da mãe ganha uma nova dimensão durante umas férias nos Alpes.

E a edição 71 do Festival de Locarno já tem datas: 1 a 11 de Agosto de 2018.