Passos diz que Teresa Leal Coelho não está a fazer "prova de vida" em Lisboa

Candidata assumiu que a primeira escolha para a cidade foi Santana Lopes

Fotogaleria
Teresa Leal Coelho é professora universitária Miguel Manso
Fotogaleria
Pedro Passos Coelho garantiu que Teresa Leal Coelho é uma pessoa genuína Miguel Manso
Fotogaleria
José Eduardo Martins é o candidato à Assembleia Municipal de Lisboa. Ontem o crítico de Passos elogiou Passos Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso

Com o rio Tejo como cenário, Teresa Leal Coelho, a candidata do PSD à Câmara Municipal de Lisboa, pegou nas palavras do líder do partido, sentado à sua frente na apresentação da candidatura, e assumiu que a “tarefa” da campanha e da que virá a seguir “não é fácil”. Passos Coelho justificou a escolha: Teresa Leal Coelho “não está aqui a fazer prova de vida”.

Na primeira fila do auditório da Fundação Champalimaud estavam dirigentes do partido e também o ex-primeiro-ministro Pedro Santana Lopes. A candidata a Lisboa começou por assumir que não foi a primeira escolha e lembrou que essa seria o provedor da Santa Casa. Até se “enganou nos Pedros”, sentados lado a lado. Num tom algo justificativo, o líder do partido, amigo pessoal de Teresa Leal Coelho, disse ter convidado a deputada por saber que esta, “se aceitasse, estaria de corpo inteiro”. E que “não estaria a fazer prova de vida” mas a tentar mesmo chegar ao governo da câmara. Elogiou-lhe o “grande cosmopolismo”, o ser “extremamente genuína”,  não ser “estudada, nem trabalhada”. “Não é fingida”, disse. Admitiu que Lisboa é uma “eleição difícil”, mas que isso não é motivo para desistir.

Numa apresentação com actuações de tunas académicas – a candidata é docente universitária -, o discurso de Teresa Leal Coelho começa por salientar que o PSD é um “partido de responsabilidade” e depois faz um retrato negativo do estado a que chegou a cidade, ao fim de dez anos de executivo socialista. Chamou a atenção para o problema do envelhecimento da população, do grande número de edifícios devolutos, do estacionamento “sem alternativas” e dos transportes. Como projecto, a candidata propõe-se fazer “uma aposta forte na conciliação entre Lisboa-cidade atractiva, que capta investimento e economia, e Lisboa-serena, que oferece a quem nela vive boas condições de vida, compatíveis com os rendimentos dos portugueses”. A cidade está a afastar tanto os seus habitantes que Leal Coelho repetiu uma imagem que já tinha usado: “Um dia destes, as marchas de Alfama têm de ir ensaiar para a Trafaria”.

Um retrato idêntico da cidade foi também deixado pelo candidato à Assembleia Municipal, o ex-deputado José Eduardo Martins: Uma “sala de visitas mal-amanhada que cada vez mais tira da cidade os lisboetas, não é carne nem peixe”. Nascido numa cidade que agora está “ao Deus dará”, José Eduardo Martins, que tem sido crítico do actual líder, lembrou que foi desafiado para a candidatura pelo PSD Lisboa mas deixou um elogio a Passos Coelho, por ser “sério” num tempo de governação com “descaramento” e agradeceu-lhe pelo que dá ao país.