Caso André Ventura: CDS questiona PSD e exige "esclarecimentos" ao candidato

André Ventura renova acusações que já tinham motivado uma queixa do BE à Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial. Apoio do CDS ao candidato abala.

O candidato do PSD/CDS critica a "excessiva tolerância"
Foto
O candidato do PSD/CDS critica a "excessiva tolerância" LUSA/NUNO FOX

Já não vem só da esquerda a indignação que as declarações do candidato do PSD/CDS à autarquia de Loures, André Ventura, estão a provocar. Também na direita há quem esteja bastante desconfortável e não esconda. O CDS já reagiu oficialmente: vai levantar o problema "no interior da coligação" (leia-se, no PSD); e espera que o candidato esclareça "cabalmente" o que disse. Também numa publicação no Facebook, o dirigente centrista Francisco Mendes da Silva já deseja que o candidato perca: “Se perder, tudo bem: que nem mais um dia o meu partido fique associado a tão lamentável personagem”, escreve.

Nos últimos dias, afirmações feitas por André Ventura sobre a comunidade cigana têm levantado muita polémica. De tal forma que o dirigente do CDS, Francisco Mendes da Silva, decidiu não ficar calado e disparou uma feroz crítica nas redes sociais: “Não há praticamente nada que André Ventura diga que eu não considere profundamente errado, ligeiro, fruto da ignorância e de um populismo que tanto pode ser gratuito, telegénico ou eleitoralista. Já o vi falar de tudo e mais alguma coisa, em muitos casos de assuntos que conheço técnica e/ou factualmente. Nunca desilude na impreparação e no gosto em ser o porta-estandarte das mais variadas e assustadoras turbas. Se perder, tudo bem: que nem mais um dia o meu partido fique associado a tão lamentável personagem.”

Apesar desta publicação ser de um dirigente do CDS, o PÚBLICO pediu uma reacção ao partido. A primeira resposta foi a de que o CDS não iria comentar. Depois, o partido ponderou e enviou ao PÚBLICO uma resposta assinada por João Gonçalves Pereira, presidente da Distrital de Lisboa do CDS: "Em Loures estamos numa coligação cujo cabeça de lista à Câmara Municipal é um candidato indicado pelo PSD, partido do qual é dirigente. O CDS é leal às coligações em que está envolvido e, nesta fase, será no interior da coligação que o CDS vai pronunciar-se sobre este assunto. Aguardamos ainda que estas declarações possam ser cabalmente esclarecidas pelo candidato André Ventura." O PÙBLICO já pediu também uma reacção ao PSD, mas até agora não obteve resposta.

Tudo isto está a acontecer, porque o candidato do PSD/CDS-PP à Câmara Municipal de Loures voltou a lançar acusações à comunidade cigana. Esta segunda-feira, numa entrevista ao jornal i, o candidato autárquico teceu duras críticas a “grupos que, em termos de composição de rendimento, vivem exclusivamente de subsídios do Estado”, acusando especificamente uma comunidade de ter uma cultura de "impunidade".

"A etnia cigana tem de interiorizar o Estado de direito porque, para eles, as regras não são para lhes serem aplicadas. Há um enorme sentimento de impunidade, sentem que nada lhes vai acontecer", disse.

Ventura já tinha proferido acusações semelhantes, na semana passada, numa entrevista ao site Notícias ao Minuto: “Temos tido uma excessiva tolerância com alguns grupos e minorias étnicas. Não compreendo que haja pessoas à espera de reabilitação nas suas habitações, quando algumas famílias, por serem de etnia cigana, têm sempre a casa arranjada. Já para não falar que ocupam espaços ilegalmente e ninguém faz nada”, afirmou o candidato.

As afirmações tinham motivado críticas de diversos quadrantres, mas Ventura reforçou a opinião na sua página de Facebook.

Na quinta-feira, o Bloco de Esquerda apresentou uma queixa à Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial contra o candidato do PSD/CDS-PP. Fabian Figueiredo, candidato do Bloco de Esquerda à câmara de Loures, considerava então as declarações “inaceitáveis”, “extremamente graves” e reveladoras de uma “ignorância e postura abertamente racista e discriminatória”. 

Esta segunda-feira, Ventura retomou o ataque. “Quem não cumpre a lei, não pode utilizar espaços públicos. Se eu vou à Loja do Cidadão e não tiro a senha, não sou atendido. Por que é que eu fico com a casa se não a pago? A câmara deve apoiar aqueles que precisam, não aqueles que não querem fazer nada”, prosseguiu na entrevista ao i, dizendo que existem em Loures “zonas onde são eles que mandam e não entra a polícia”. 

No entanto, e quando questionado sobre o caso de elementos da esquadra da PSP de Alfragide acusados de racismo, o candidato do PSD/CDS-PP respondeu não se pode "esquecer que em todos os grupos há bons e maus” e recusa fazer generalizações porque, diz, “são sempre perigosas” e prefere não fazer antecipações. “Não conheço o processo”, justifica. “O que sei é que muitos destes processos começam assim e acabam em absolvições. É ver as estatísticas, É fácil atacar a polícia, Ninguém estava lá para ver. Com isto é que se esquece a falta de meios que a polícia tem”, aponta. 

Entretanto, no seu Facebook, o candidato defende-se dos ataques da "extrema-esquerda, unida à velha esquerda caviar", alegadamente "em pânico" com "as verdades". "Está a cair-lhes a máscara!", escreveu.

Quem é André Ventura?

André Ventura é sobretudo conhecido por ser comentador afecto ao Benfica, num programa de desporto na CMTV, mas do seu currículo fazem parte outras actividades. Entre muitos outros aspectos, pode ler-se que é professor auxiliar da Universidade Autónoma de Lisboa; professor convidado da Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto, Angola; tendo ainda várias ligações à Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa (professor convidado; subdirector do mestrado em Direito e Segurança; investigador residente do Centro de Investigação e Desenvolvimento sobre Direito e Sociedade).