Star Trek: Discovery estreia-se a 25 de Setembro em Portugal

Depois de sucessivos atrasos, a saga intergaláctica regressa à TV em emissões semanais na CBS. Em Portugal, à semelhança de 188 outros países, a série chegará através do Netflix.

Foto
Doug Jones, Sonequa Martin-Green e Michelle Yeoh CBS Entertainment

Deveria ter-se estreado no início do ano, tornando-se a primeira série de ficção original do CBS All Acess – o serviço de streaming do canal norte-americano CBS. Se é verdade que os sucessivos atrasos na produção de Star Trek: Discovery lhe tiraram o título (que foi para The Good Fight, spin-off da série The Good Wife), o certo é que também fizeram com que a prequela da história criada por Gene Roddenberry fosse agora mais aguardada do que nunca. A estreia foi entretanto marcada para 24 de Setembro em canal aberto na CBS, passando a estar disponível no CBS All Acess após a sua emissão televisiva. Portugal faz parte do catálogo de 188 países que receberão a série através do Netflix no dia seguinte.

O regresso de Star Trek à sua primeira casa vai dividir-se em duas partes. A primeira tranche de oito episódios chegará semanalmente ao Netflix às segundas-feiras até 6 de Novembro. Já a segunda parte da história, com sete episódios, apenas chegará ao pequeno ecrã e aos serviços de streaming em Janeiro de 2018. “Há tanto talento e pormenor envolvidos em cada adereço, figurino e cenário”, afirmou Aaron Harberts à revista Entertainment Weekly. O showrunner revelou que a produção enviou um designer de figurinos à Suíça para trazer o tecido utilizado nos uniformes da Starfleet e que alguns dos elementos dos uniformes são impressos com recurso a tecnologia 3D. “A CBS deu-nos tempo e dinheiro para construirmos algo de que os fãs se orgulharão."

Trazer o icónico universo de Star Trek de volta é um desafio em si mesmo, mas há preocupação por parte da equipa técnica e do elenco em fazê-lo com credibilidade. “Não podemos cortar cantos ou ter 95% de elementos originais e inspiradores no ecrã e depois 5% de coisas que compramos numa loja”, acrescentou a showrunner Gretchen J. Berg, salientando que os novos episódios da série “elevam a construção de outros mundos a outro patamar”.

O detalhe com que a trama tem sido pensada é um dos maiores motivos para os sucessivos atrasos na produção. Também a renúncia de Bryan Fuller enquanto showrunner para passar a ficar apenas como produtor-executivo foi um solavanco na construção da prequela. Em jogo estiveram também factores como a espera pela disponibilidade da actriz Sonequa Martin-Green, que cumpria anteriormente o contrato da sua participação em The Walking Dead.

No trailer de Star Trek lançado no mês passado, vemos Sonequa Martin-Green a protagonizar a trama enquanto Michael, a primeiro imediato da nave Discovery, nomeadamente numa conversa com o pai de Spock, Sarek (James Frain de True Detective). A acção, que decorre dez anos antes do original de 1966, centra-se numa missão que Michael leva a cabo com a ajuda da capitã Georgiou (Michelle Yeoh, 007 – O Amanhã Nunca Morre) após a descoberta de um objecto desconhecido no limite da área supervisionada pela Federação dos Planetas Unidos.

Trekkers ou trekkies em todo o mundo poderão, assim, continuará a assistir à procura de novas formas de vida alienígena e terão ainda direito a um after-show que servirá para debater a série, Talking Trek. O restante elenco inclui nomes como Jason Isaacs, Anthoy Rapp, Doug Jones, Rainn Wilson, entre outros.