Agência europeia eleva nível de perigo para a saúde associado ao bisfenol A

Resina usada para tornar os plásticos mais duros, que já tinha sido proibida no fabrico de biberões, foi considerada “altamente preocupante” devido aos problemas que pode causar no sistema endócrino.

Foto

A decisão anunciada esta sexta-feira pela Agência Europeia dos Produtos Químicos (ECHA) confirma, mais uma vez, os alertas feitos nos últimos anos em vários estudos de investigação que questionavam a segurança do bisfenol A para a saúde humana. A substância usada para tornar os plásticos mais duros já estava identificada como tóxica para o sistema reprodutor humano. Agora, o Comité dos Estados-membros da ECHA considerou oficialmente esta substância como “altamente preocupante”, identificando-a como um desregulador endócrino.

O bisfenol A é um composto utilizado há mais de 50 anos na produção de plásticos de policarbonato, por ajudar a torná-los mais duros. Ao longo dos anos foram realizados estudos que confirmaram que esta substância pode passar para a comida quando o recipiente é aquecido a altas temperaturas e utilizado repetidamente. Em 2011, a União Europeia proibiu o fabrico de biberões com esta substância que também se encontra em garrafas de plástico, embalagens, caixas de conservação de alimentos, latas de refrigerantes, enlatados e outros recipientes. Em 2014 foi publicada ainda uma directiva europeia que estabelecia um valor-limite específico para o produto químico utilizado em brinquedos destinados a serem utilizados por crianças com menos de 36 meses ou noutros brinquedos destinados a serem colocados na boca.

A ECHA já tinha identificado o risco do bisfenol A mas agora classificou-a como uma “substância altamente preocupante” pelos seus efeitos na saúde humana como desregulador endócrino, uma medida tomada por unanimidade e na sequência de uma proposta feita por França. Ou seja, este composto merece agora o mais elevado nível de preocupação e o mesmo tipo de atenção (e medidas de controlo) que é dedicado a substâncias que são actualmente reconhecidamente consideradas como carcinogénicas ou mutagénicas.

“Um desregulador endócrino é uma substância química que pode interferir com a produção ou a actividade de hormonas do sistema endócrino humano”, explica Félix Carvalho, professor catedrático do Laboratório de Toxicologia da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto. Há já alguns anos que a segurança do bisfenol A é questionada por especialistas, que a associaram uma série de problemas de saúde, que vão desde a infertilidade a diabetes ou problemas cardíacos. “Este composto tem sido muito estudado e sabe-se actualmente que, havendo uma cedência da substância a partir das embalagens para os alimentos, a exposição humana é extremamente perigosa e pode levar a vários problemas”, confirma Félix Carvalho, que é ainda secretário-geral da Eurotox (Associação dos Toxicologistas Europeus e das Sociedades Europeias de Toxicologia).

No entanto, apesar das muitas provas encontradas até agora, existem várias organizações que defendem que o bisfenol A não provoca qualquer dano na saúde humana, argumentando que os estudos que avaliaram a toxicidade desta substância só mostraram este efeito em modelos animais.

Com a decisão tomada esta sexta-feira pela ECHA, o cerco aos fabricantes que usam esta substância vai ficar mais apertado. A agência refere que o bisfenol A será incluído, no final deste mês, numa lista actualizada destes produtos potencialmente perigosos para a saúde humana e, a partir daí, os fabricantes terão de obedecer a regras mais rigorosas para a sua utilização.