A segunda vida da Companhia Paulo Ribeiro começa agora

Um Solo para a Sociedade é a estreia da dupla São Castro e António Cabrita na direcção artística da companhia, após a saída do insubstituível coreógrafo que a fundou. Um espectáculo para dizerem que chegaram, e que querem que o público continue a fazer parte.

Fotogaleria
Miguel Castro, o único bailarino em palco em Um Solo para a Sociedade, foi escolhido numa audição a que concorreram mais de cem intérpretes PAULO PIMENTA
Fotogaleria
PAULO PIMENTA
Fotogaleria
PAULO PIMENTA
Fotogaleria
PAULO PIMENTA
Fotogaleria
PAULO PIMENTA
Fotogaleria
PAULO PIMENTA

Meio ano depois de terem assumido a direcção artística da Companhia Paulo Ribeiro, São Castro (n. 1976) e António Cabrita (n. 1982) ainda acham “estranho” serem eles a atravessar a varanda técnica do Teatro Viriato em direcção ao gabinete onde até há bem pouco tempo se sentava o coreógrafo que em 1995 fundou a companhia e a dirigiu ininterruptamente até ao final de 2016. Tal como, a quase 300 quilómetros de distância, o próprio Paulo Ribeiro, agora director artístico da Companhia Nacional de Bailado, acha “estranho” estar tão longe do mais pessoal dos seus projectos. Mas o estranho entranha-se, e eis que a dupla que se instalou em Viseu para substituir uma figura insubstituível estreia esta sexta-feira, olhos nos olhos de cada espectador sentado na plateia e até mais do que isso (mas aqui não haverá spoilers), a sua primeira peça para a companhia, Um Solo para a Sociedade.

Não foi evidente ocupar um lugar tão irreversivelmente associado a Paulo Ribeiro, admitem ao PÚBLICO no final de um dos últimos ensaios da peça com que querem dizer “à cidade, ao país, e ao mundo, porque a companhia também viaja bastante” que chegaram e que querem que o público continue a fazer parte. “Felizmente às tantas o trabalho começa a fluir, somos levados pelo andamento das águas e já nem pensamos no que está a acontecer”, desdramatiza São Castro. E o que está a acontecer é uma segunda vida para a Companhia Paulo Ribeiro após um corte que podia ter sido traumático – mas que Paulo Ribeiro diz não ter de todo o peso de “um abandono”, antes de “uma separação amigável em que se continua a comunicar”. Um Solo para a Sociedade é, portanto, a continuação natural da companhia por outros meios, os da meticulosa (e virtuosa) prática coreográfica que esta dupla de intérpretes e coreógrafos tem vindo a aprofundar desde Wasteland (2012), e que não descende necessariamente da do fundador da estrutura que agora dirigem, apesar de todos os seus encontros anteriores, a dois ou a três.

Mas mesmo decorrendo naturalmente quer do percurso da companhia, que várias vezes se abriu a criações de coreógrafos convidados, quer do percurso de São Castro e António Cabrita, que já tinham “guardada na gaveta a ideia de trabalhar com o corpo este monólogo de Patrick Süskind”, O Contrabaixo, bem antes de lhes cair no colo o convite de Paulo Ribeiro, Um Solo para a Sociedade é de certa forma o primeiro espectáculo do resto da vida de todos os envolvidos (incluindo o bailarino Miguel Santos, escolhido numa audição a que concorreram mais de cem intérpretes) – o primeiro espectáculo da Companhia Paulo Ribeiro sem Paulo Ribeiro, o primeiro espectáculo de São Castro e António Cabrita sem São Castro e António Cabrita (em todos os anteriores estavam simultaneamente fora como coreógrafos e dentro como intérpretes).

Porem-se totalmente de fora, notam agora que têm em Miguel Santos o seu emissário no palco, muda tudo, criando uma distância de segurança e permitindo uma relação que ecoa aquela de que se ocupa o próprio Patrick Süskind na peça que inspirou Um Solo para a Sociedade: “Tal como o protagonista do texto tem no contrabaixo o seu instrumento de trabalho, o corpo do Miguel é o instrumento de trabalho dele – e, neste caso, também o nosso”, argumenta António Cabrita, sublinhando que “97% do material deste solo” passou pelo corpo dos coreógrafos antes de chegar ao corpo do bailarino. O que, não corrigindo a desvantagem numérica (“Ele estava sempre a queixar-se de que havia mais coreógrafos do que bailarinos no estúdio…”), dá a quem está de fora uma noção do que pode exigir a quem está dentro.

O que lhe exigiram – “e sim, sabemos o que custa” – foi sobretudo um trabalho exaustivo de mãos e braços: “O protagonista é um contrabaixista… E o Miguel tem umas mãos super expressivas, queríamos enfatizar isso”, diz São Castro, explicando que a pesquisa incluiu uma visita de estudo ao Conservatório Regional de Música “para dar outra consistência ao posicionamento físico” solicitado por “um instrumento volumoso como é o contrabaixo”. Ainda que, contrapõe António Cabrita, não haja qualquer vontade de realismo no solo com que se estreiam como directores artísticos da companhia, tal como não havia essa vontade nos trabalhos anteriores: “A nossa forma de trabalhar o corpo em dança é abstracta. Não se trata aqui de transcrever um texto, tal como em Play False [2014] não se tratava de transcrever o universo de personagens de Shakespeare, ou como em Rule of Thirds [2016] não se tratava de transcrever as fotografias do Henri Cartier-Bresson. O texto é uma inspiração, um mecanismo que usamos para que o movimento se torne algo mais do que movimento e tenha um conteúdo humano, um porquê. Acho que a palavra certa para o que fazemos é ampliação.”

Em Um Solo para a Sociedade, o que vemos então ampliado é este solista que entra em palco de costas para o público, virado para uma parede preta, perdido no seu labirinto interior, e depois, cada vez mais ostensivamente, interpela os espectadores à espera de retribuição. Agora que entra num novo ciclo, é como se a Companhia Paulo Ribeiro também quisesse reiterar a sua vinculação a uma comunidade. “Sempre vi este projecto como estando muito próximo do público, e quando apresentámos a proposta a [directora do Teatro Viriato] Paula Garcia achou interessante porque se encaixa exactamente na dinâmica que este teatro tem com o público, com a cidade”, aponta São Castro. “A Companhia Paulo Ribeiro é residente do Viriato e de Viseu, a comunidade tem uma relação com ela. Sentíamos isso como intérpretes e agora sentimos isso como directores. Há anos que se fazem workshops com o público: aqui mesmo quem não tem experiência de dança tem experiência em dança”, reforça António Cabrita.

Ou seja: quando esta sexta-feira a Companhia Paulo Ribeiro a chamar para o palco, a cidade não tem nenhuma boa desculpa para não dançar.