Putin: “Não sou mulher, por isso não tenho dias maus”

As declarações foram proferidas no documentário The Putin Interviews, realizado por Oliver Stone. Homossexualidade, Snowden e EUA são outros temas abordados pelo Presidente russo.

Foto
O realizador acompanhou o chefe de Estado russo em inúmeras situações entre Julho de 2015 e Fevereiro de 2017 Reuters/SERGEI KARPUKHIN

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse ao realizador Oliver Stone que nunca tem um dia de folga das suas funções porque é homem — ou melhor, não é mulher, e por isso não tem “dias maus”.

“Não sou uma mulher, por isso não tenho dias maus”, afirmou Putin, segundo a Bloomberg. “Não estou a tentar insultar ninguém. É simplesmente a natureza das coisas. Há determinados ciclos naturais”, continuou. As declarações foram proferidas no documentário The Putin Interviews, filme realizado por Oliver Stone e com estreia marcada para o dia 12 de Junho, no canal de cabo norte-americano CBS Showtime.

Stone acompanhou o chefe de Estado russo em inúmeras situações entre Julho de 2015 e Fevereiro de 2017, de forma a caracterizar e dar a conhecer ao público os bastidores da vida de um dos homens mais poderosos no mundo.

Oliver Stone não deixou de lado a oportunidade de questionar o Presidente russo sobre o tema da homossexualidade. O realizador perguntou a Putin se a lei que proíbe aquilo a que chama “propaganda gay a menores de idade, aprovada em 2013, significa que os homossexuais são alvo de discriminação. “Não há restrições” foi a resposta dada pelo Presidente.

Sem largar a temática – e em tom de provocação – Stone questiona Vladimir Putin sobre se tomaria banho juntamente com um homossexual num submarino. O chefe de Estado russo disse que preferia “não o fazer”. “Para quê provocá-lo? Tu sabes, sou um mestre do judo”, gracejou.

Ainda ao longo do documentário, Putin, que já foi agente do KGB, tece comentários sobre Edward Snowden, afirmando que o ex-analista informático da NSA fez mal ao divulgar sistemas de vigilância em massa, ainda que não o considere “um traidor”.

Também as relações diplomáticas entre os EUA e a Rússia foram alvo de discussão entre Putin e Stone. Quando questionado sobre se os Estados Unidos teriam vantagem num conflito mundial entre as duas nações, Putin sublinhou que "ninguém sobreviveria".