Supremo Tribunal brasileiro manda libertar ex-ministro José Dirceu

Decisão surge no mesmo dia em que o Ministério Público brasileiro acusou o antigo ministro de Lula da Silva de ter recebido subornos no valor de 2,4 milhões de reais.

Dirceu estava preso desde 2015 a cumprir duas sentenças que, em conjunto, perfaziam 32 anos de prisão
Foto
Dirceu estava preso desde 2015 a cumprir duas sentenças que, em conjunto, perfaziam 32 anos de prisão Reuters/RODOLFO BUHRER

O Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil mandou libertar esta terça-feira o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, condenado duas vezes no âmbito da Operação Lava-Jato e preso desde 2015 em Curitiba, divulgou a imprensa brasileira.

Com três votos a favor e dois contra, o STF decidiu assim aceitar o Habeas Corpus apresentado pela defesa do antigo braço-direito de Lula da Silva.

No entanto, também esta quarta-feira, o Ministério Público Federal do Brasil abriu a terceira acusação no âmbito da Lava-Jato contra Dirceu. Agora, é suspeito de ter recebido subornos no valor de 2,4 milhões de reais (quase 700 mil euros) antes, durante e depois do julgamento sobre o caso do Mensalão.

Dirceu encontrava-se a cumprir a sentença total de 32 anos de prisão devido a outras duas acusações na Lava-Jato. A primeira sentença foi de 20 anos e 10 meses por crimes como corrupção e branqueamento de capitais. Mais tarde foi condenado a mais de 11 anos por corrupção passiva e também branqueamento de capitais.

De acordo com o Ministério Público brasileiro, o antigo governante é agora suspeito de receber 2,4 milhões de reais entre 2011 e 2014. O montante terá tido origem das empresas Engevix e UTC e sido movimentado através de contratos com a Petrobras.