Com quatro anos de atraso, há uma nova escola para rejuvenescer o Chiado

Reabilitação de parte do edifício do antigo Tribunal da Boa Hora custou aos cofres da Câmara de Lisboa 2,6 milhões de euros. Escola Maria Barroso está pronta para receber 150 alunos de jardim-de-infância e primeiro ciclo no próximo ano lectivo.

Fotogaleria
Margarida Basto
Fotogaleria
Margarida Basto
Fotogaleria
LUSA/ANTóNIO PEDRO SANTOS

Foram necessários mais de quatro anos para que parte do Edifício da Boa Hora, onde funcionou o tribunal com o mesmo nome, se transformasse numa escola. Desde 2012 que a Câmara de Lisboa mostrava a intenção de, neste local, em pleno Chiado, abrir uma nova escola básica e jardim-de-infância. Plano que se concretizou com a construção da Escola Básica Maria Barroso, inaugurada esta terça-feira, em homenagem à professora, actriz e antiga primeira-dama.

Dada a "carência de equipamentos escolares na área da baixa", a Câmara de Lisboa olha para esta escola como um impulsionador da “inversão do processo de desertificação” desta zona da cidade, podendo funcionar “como pólo de atracção para jovens casais”. Com capacidade para 150 crianças, o novo equipamento é um “avanço importante na agenda do mandato”, salientou no discurso de inauguração o presidente da autarquia.

Fernando Medina destacou a necessidade de devolver uma escola ao centro histórico da cidade, um passo “importante para a sua habitabilidade”. Uma posição semelhante adoptou o primeiro-ministro e ex-autarca da capital, António Costa, ao destacar que Lisboa, como outras cidades, só tem “vida enquanto tiver pessoas” e as escolas são condição essencial para que o centro histórico seja habitado.

A nova escola, que serve as freguesias de Santa Maria Maior e Misericórdia, terá lugar para 50 crianças no jardim-de-infância, dos 3 aos 5 anos, e 100 alunos do primeiro ciclo do ensino básico, com idades entre os 6 e 9 anos. As portas abrem em Setembro para o início do ano lectivo.

Com entrada pelo Largo da Boa Hora, a escola ocupa parte do edifício que albergou o Convento da Boa Hora – construído após o terramoto de 1755 e encerrado em 1834, com a extinção das ordens religiosas - e onde, até 2009, funcionou o tribunal. A reconversão do espaço custou aos cofres da autarquia 2,6 milhões de euros.

A criação da escola neste local é um desejo antigo da autarquia, tornado público em 2012, depois do edifício da Boa-Hora ter passado das mãos do Estado para a Câmara de Lisboa como contrapartida pelas obras de requalificação da Avenida Ribeira das Naus que ficaram a cargo da autarquia após a extinção da sociedade Frente Tejo. Um mês depois, 70% do edifício foi devolvido à administração central: vendido ao Ministério da Justiça por cerca de seis milhões de euros para a instalação do Centro de Estudos Judiciários, o Museu do Judiciário e serviços do Instituto de Registos e Notariado.

É nos 30% do edificado que ficaram na esfera municipal que existe hoje a escola. Esta estrutura abre quatro anos após o inicialmente previsto. Em 2012, o então autarca António Costa previa que as aulas ali começassem no ano lectivo 2013/2014. O projecto, da autoria da arquitecta Ana Lúcia Barbosa, acabaria, no entanto, por ser aprovado apenas em Janeiro de 2014 e o aval para adjudicação da empreitada só seria dado pelo executivo camarário um ano depois. As obras começaram em 2016.

Em resposta à agência Lusa, em Abril do ano passado, a autarquia justificava que os atrasos se deveram a uma reformulação parcial do projecto de 2012 pela descoberta de "vestígios arqueológicos relevantes" e pelas "condições geológicas/geotécnicas do terreno".

Hoje, há três pisos dedicados ao ensino, com salas para o jardim-de-infância e para o primeiro ciclo, pátios, recreios cobertos, cozinha, refeitório, ginásio, biblioteca e sala de informática. A autarquia garante que houve uma "intervenção mínima" no edifício existente.

Presentes na cerimónia inaugural estiveram também familiares e amigos de Maria Barroso em homenagem à pedagoga que o autarca de Lisboa considerou ser “uma figura maior do nosso tempo”, um “exemplo para os mais novos”.