Algarve tem só dois dermatologistas. Um faz 30 consultas por dia

Único dermatologista no Hospital de Faro, Larguito Claro vai sair por limite de idade em Setembro. "Estou muito preocupado com o que vai acontecer" aos doentes, diz.

Foto
João Larguito Claro confessa que não sabe o que será dos seus doentes DR

A poucos meses de completar 70 anos e de ser obrigado a abandonar o posto de trabalho no Hospital de Faro por limite de idade, o dermatologista João Larguito Claro não passa os dias a magicar no que vai fazer quando se reformar. O que o angustia, por estes dias, é a indefinição sobre o futuro dos doentes do Algarve. Os hospitais públicos da região só têm dois dermatologistas, ele e uma colega em Portimão - e esta trabalha apenas a meio tempo.

“Tenho muita pena dos meus doentes, estou muito preocupado com o que lhes vai acontecer”, diz Larguito Claro, que vai dando conta do recado como pode no Hospital de Faro, a um ritmo de cerca de “30 consultas por dia”, das oito da manhã às oito da noite. Mesmo assim, o tempo médio de espera para consulta não prioritária são 514 dias.

Foi uma debandada: o Hospital de Faro já chegou a ter oito dermatologistas, o de Portimão até teve três, mas entretanto foram-se reformando ou optaram pelo sector privado, que está “florescente enquanto o público vai definhando”, lamenta o médico. Por vezes, em desespero, alguns doentes recorrem ao serviço de urgência. “Eu lá vou vê-los, a urgência é a porta de entrada”, afirma. “Chega a uma altura em que não dá mais”, suspira. A administração do hospital já abriu vários concursos para contratar outros especialistas, mas “ficam sempre desertos”. 

Larguito confessa-se ainda mais preocupado porque a colega de Portimão também pondera abandonar o barco. No ano passado, os dois juntos fizeram mais de 11 mil consultas. “O que vai ser dos doentes?”, pergunta, lembrando que os hospitais mais próximos com dermatologia são os de Évora, Setúbal, Lisboa e arredores.

O dia de Larguito Claro começa cedo e acaba tarde. Para dar uma resposta mais célere, faz ainda telemedicina e também aposta, e muito, no telerastreio dermatológico. Depois das 18h00, fica a analisar as fotos feitas aos doentes nos centros de saúde. “Até já disse ao hospital para me pôr um computador em casa.”

Nas fotos avalia se os problemas são simples ou mais complicados. “Na dúvida, chamo os doentes”, garante. O telerastreio dermatológico tem ajudado a recuperar uma parte substancial da lista de espera, “despacha imenso.” Larguito até recebeu na sexta-feira uma medalha de “mérito profissional grau ouro”, das mãos do ministro da Saúde, em reconhecimento pelo trabalho desenvolvido. Em 2015, já tinha, aliás, sido eleito “personalidade do ano em telemedicina”."Faço o que posso", diz.

No Centro Hospitalar do Algarve (Faro, Portimão e Lagos), a dermatologia está longe de ser a única especialidade problemática. “A situação está caótica, a ortopedia e a neurocirurgia têm problemas gravíssimos”, exemplifica Ulisses Brito, presidente da Ordem dos Médicos da região. “Os especialistas foram saindo do hospital e agora só fazem privada. Como se resolve isto? Muitas das pessoas que estão há anos à espera já foram aos privados. Há situações que não eram urgentes que acabam por se tornar urgentes com o tempo”, lamenta.

Ulisses, que é pneumologista, tem conseguido que os internos do seu serviço fiquem no Algarve. Mas nas especialidades que foram perdendo a idoneidade formativa (condições para formar novos especialistas localmente) isso torna-se impossível. É um ciclo vicioso: os especialistas saem, os hospitais perdem a idoneidade formativa e os jovens não se candidatam aos concursos que vão abrindo. Os incentivos não têm chegado para atrair jovens médicos para a região.