Torne-se perito

O Árctico está a ficar parecido com o Atlântico

Reparemos nesta palavra: “atlantificação”. É o que está a acontecer no Árctico.

Fotogaleria
Recolha de instrumentação a norte de Severnaia Zemlia Ilona Goszczko
Fotogaleria
Recuperação de instrumentação científica durante a campanha de estudo do Árctico Ilona Goszczko

Que o oceano Árctico está a ficar diferente já não é novidade. O que agora é novo é que a parte leste do Árctico está a ficar cada vez mais parecida com o oceano Atlântico. Ou seja, as camadas de água na bacia euroasiática do Árctico estão a ficar menos densas, permitindo a sua mistura com águas vindas do Atlântico, pelo menos assim é relatado num artigo na revista Science desta sexta-feira.

Na última década, no Árctico houve uma perda recorde de gelo marítimo durante o Verão. E, desde 2011, a bacia euroasiática ficou mesmo quase sem gelo no final do Verão. Agora, a equipa do oceanógrafo Igor Polyakov, do Centro de Investigação Internacional do Árctico (Alasca), fez medições da espessura do gelo nesta região do oceano entre 2013 e 2015 com vários sensores. 

O Árctico prolonga-se por 1800 quilómetros e é separado pela bacia américo-asiática e pela bacia euroasiática. Foi nesta última que os cientistas detectaram o que já tem sido designado por “atlantificação” do Árctico. As águas da parte leste da bacia euroasiática estão a perder a sua forte estratificação, o que torna o aquecimento do Árctico muito mais fácil.

PÚBLICO -
Foto
Recuperação de instrumentação científica durante a campanha de estudo do Árctico Ilona Goszczko

E que factores estão a contribuir para esta “atlantificação” do Árctico? De acordo com Igor Polyakov, há dois factores principais. Primeiro, o facto de haver menos áreas de gelo no oceano, pois há menos produção de gelo no Inverno. “A formação de gelo faz com que a água doce do topo da coluna de água seja extraída para formar o gelo, e o sal remanescente torna essa água à superfície mais densa e pesada do que aquela que está por baixo”, explica o investigador. “Estas águas à superfície têm-se misturado e isso tem-se intensificado nos últimos anos.”

O segundo factor tem a ver com a variação dos níveis de salinidade: a uma profundidade entre os 50 e 150 metros ocorre, geralmente, uma variação brusca na salinidade. Essa faixa é a haloclina. O que agora se está a observar é uma redução na diferença de salinidade, o que facilita a mistura entre as camadas de água e permite que as águas do Atlântico cheguem ao Árctico.

Se a “atlantificação” do Árctico continuar, haverá cada vez menos gelo nesta região. Para minimizar estes efeitos, Igor Polyakov diz ao PÚBLICO que é urgente combater o aquecimento global e reduzir as emissões de gases com efeito de estufa. Mas não será fácil. “Temos vindo a observar estas mudanças [a ‘atlantificação’] há já algum tempo, por isso é difícil fazer algo rapidamente que tenha um efeito imediato.”

Sete sítios a proteger

Também esta semana, a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, sigla em inglês) divulgou um relatório em que identifica sete lugares marinhos no Árctico para serem classificados como Património Mundial da UNESCO. “O Árctico tem um papel crucial na regulação do aquecimento global e alberga uma variedade diferente de espécies, muitas delas em perigo”, afirma, em comunicado, Carl Lundin, director dos programas marinhos e polares da IUCN. “A Convenção do Património Mundial tem a grande potencialidade para aumentar o reconhecimento e a protecção dos habitats mais excepcionais da região.”

Os sete lugares incluem o Gelo Marinho Remanescente Plurianual e a Águas Polínias da Ecorregião Nordeste, que têm gelo espesso e são um bom habitat para os ursos polares no século XXI. A polínia é qualquer área de águas abertas no meio de um banco de gelo (ou banquisa) ou de gelo fixo. Está também a Ecorregião do Estreito de Bering, uma das maiores zonas de migração de aves e mamíferos marinhos. A Ecorregião do Nordeste da Baía de Baffin, que tem muitas espécies de aves marinhas, como a torda-anã.

PÚBLICO -
Foto
Glaciar de Jakobshavn na Gronelândia Spencer Weart

A Polínia da Ecorregião do Fiorde Scoresby Sund, que tem o maior sistema de fiordes do mundo e uma grande comunidade de baleias-da-gronelândia. Os Arquipélagos do Alto Árctico (Svalbard, Terra de Francisco José e Severnaia Zemlia ), que tem 85% das gaivotas-de-marfim do mundo. A Baía de Disko e a Ecorregião do Banco de Store Hellefiske, que tem centenas de êideres-reais. Ou ainda a Polínia da Grande Sibéria, uma zona importante na formação de gelo no oceano.

A protecção destes locais representa a protecção do próprio Árctico, sublinha Carl Lundin. Para ele, as maiores preocupações relativas ao Árctico são o aumento da temperatura, o degelo rápido e os plásticos nos oceanos. “Naqueles sítios, há animais impressionantes e em grande número. Estes são dos sítios mais bonitos do mundo”, diz, apelando à sua conservação. 

Sugerir correcção