Três perguntas a Luiza Teixeira de Freitas

A curadora do sector Solo da SP-Arte que começa esta quinta-feira em São Paulo.

Foto
A curadora Luiza Teixeira de Freitas Daniel Rocha

Filha de um grande coleccionador brasileiro, casada com um jovem galerista português, a curadora independente que pelo segundo ano consecutivo dirige o sector Solo da SP-Arte acredita que, tal como no ano passado, os coleccionadores privados aparecerão em força na feira, apesar de todos os sinais de desaceleração da economia.

O Brasil está a atravessar a sua pior crise em décadas. É um mau momento para comprar e vender arte?
A edição do ano passado, que decorreu na boca do furacão, bem em cima do impeachment, foi muito positiva. Não se falava de outra coisa, mas os coleccionadores estavam lá todos e todos compraram. É verdade que aquilo a que estávamos a assistir — novos coleccionadores enlouquecidos a comprarem arte por milhões — deixou de se ver e não se vai ver mais; a crise acabou com os coleccionadores de ocasião. Mas quem tinha dinheiro continua a ter dinheiro e está talvez até mais motivado, porque a Presidente de que a classe média-alta não gostava foi-se embora... Falo apenas dos coleccionadores privados, claro, porque as instituições não têm fundos.

E o que procuram esses coleccionadores?
No Brasil, as pessoas coleccionam muito igual. Arte histórica, sobretudo dos anos 50, 60, 70, é um sucesso em São Paulo, onde há uma grande, grande tradição de colecção no sector privado. A pintura, o desenho e a escultura funcionam, mas têm de ser obras bonitas, elegantes, porque o estranho não resulta; os trabalhos de novos media, vídeo, tecnologia são difíceis de colocar em colecções privadas. Perceber que artistas contemporâneos vão fazer clique é um grande desafio para alguém que, como eu, faz curadoria comercial entre a Europa e o Brasil. Mas como trabalho com colecções privadas de São Paulo, vou sentindo as tendências, e o que vejo no Brasil — e infelizmente não em Portugal — é muita gente jovem a querer começar a coleccionar, a querer saber como se faz. 

O que é que tem de acontecer nestes três dias para dar por cumprida a sua missão?
Há um ano, no último dia da SP-Arte havia duas galerias no Solo que não tinham vendido. Isso é o que não pode acontecer. Fui ter com os coleccionadores que conhecia, aconselhei-os, no final nenhuma ficou em branco. As galerias que convenço a estarem presentes têm de ter retorno comercial, porque é caro vir até São Paulo e ter um stand na feira. Mas o sucesso não se mede apenas pelas vendas. No caso de duas das galerias portuguesas que estão no Solo este ano, a Baginski e a Madragoa, eu sei que já foi benéfico, porque os seus artistas beneficiaram de residências no Brasil [Bruno Cidra no Pivô, em São Paulo; Joanna Piotrowska no Instituto InclusArtiz, do Rio de Janeiro, respectivamente]; noutros casos, o retorno pode passar por garantir aqui futuras exposições.

O PÚBLICO viajou a convite da SP-Arte