Um repórter na Índia usa o WhatsApp para transmitir as notícias locais – e ganha dinheiro com isso

O Rocket Post Live, de Shivendra Gaur, já conquistou 8000 subscritores por fornecer alertas de notícias e um boletim diário em vídeo.

Fotogaleria
MCT/Francine Orr
Fotogaleria

Se perguntar a alguém por notícias locais no distrito de Pilibhit, no estado indiano de Uttar Pradesh – perto da fronteira com o Nepal e a 217km da capital estatal, Lucknow – de vez em quando a resposta vai ser: “Veja no WhatsApp!”.

É esta a plataforma que um repórter local utiliza para construir um serviço de notícias dirigido a subscritores, que já atraiu milhares de consumidores pagantes. O Rocket Post Live, o serviço de notícias baseado no WhatsApp de Shivendra Gaur, foi lançado em Abril do ano passado e já conquistou 11.400 subscritores. Cerca de 8000 destes pagam 100 rupias (1,44 euros) por ano; os restantes são estudantes que recebem o serviço de notícias gratuitamente.

O Rocket Post Live envia actualizações sobre notícias aos seus subscritores ao longo do dia e também apresenta um boletim de notícias detalhado, em vídeo em hindi, normalmente com três a cinco minutos de duração, todas as noites pelas 20 horas.

“O nosso público fica à espera dessa hora com impaciência”, diz Gaur. “Se o boletim se atrasa por razões imprevistas, esta impaciência transforma-se em desespero. Começamos a receber telefonemas irritados.”

O Rocket Post Live transmite maioritariamente notícias locais – crime, política e, por vezes, problemas sociais – num distrito com mais de 2 milhões de habitantes, muitos dos quais dependem da agricultura. Entre os subscritores do Rocket Post Live há médicos, engenheiros, políticos locais, polícias e funcionários do departamento de informação distrital, conta Gaur.

O WhatsApp não está optimizado para o envio de blocos de mensagens em larga escala. Para o Rocket Post Live, Gaur utiliza a funcionalidade “Lista de Transmissão” para enviar boletins de notícias a cada um dos subscritores em separado, de modo a evitar problemas com grupos de mensagens no WhatsApp: “Os grupos de mensagens do WhatsApp têm um problema – envia-se muita palha inútil. As pessoas não gostam disso.” Cada novo subscritor recebe um código para activar os boletins de notícias e os alertas quando pede para ser adicionado à rede do Rocket Post Live.

Gaur trabalha com mais cinco repórteres para produzir os alertas e boletins de notícias e contratou dois funcionários a tempo parcial para sondar novos subscritores, que recebem uma comissão de 30%. Paga aos membros da equipa entre 3000 e 5000 rupias (43 a 72 euros) por mês e sobram-lhe cerca de 20 mil rupias (288 euros) no fim do mês. Gaur também dirige um jornal semanal em papel – mas, ao contrário do paradigma habitual na América e na Europa, descobriu que a edição em papel tem dificuldades em subsistir de maneira independente – portanto, usa parte dos lucros do Rocket Post Live para a financiar.

Em Uttar Pradesh, o estado mais populoso da Índia, os consumidores rurais preocupados com os custos e sedentos de notícias encontram cada vez mais maneiras de aceder a conteúdo digital barato. Na véspera das eleições para a Assembleia Legislativa do estado, em Fevereiro, organizações de notícias como a UPTV, Uttarpradesh.org, Newstrack.com, Diyasandesh.in e Earlynews.in apressaram-se a lançar aplicações Android para captar estes leitores (pelo menos 30 aplicações de notícias destinadas a Uttar Pradesh estavam disponíveis na Google Play Store, cada uma contabilizando entre 5 mil e 100 mil descargas, escreveu o FactorDaily no mês passado).

A Índia é o maior mercado mundial da aplicação de conversa que pertence ao Facebook e que no mês passado atingiu 200 milhões de utilizadores activos mensais no país. Costuma ser difícil descobrir a origem de mentiras virais que circulam no WhatsApp, devido à forma como este está estruturado enquanto plataforma de mensagens – mas estas pode ter consequências reais. Gaur, que nasceu e cresceu em Pilibhit e também trabalhou como intermediário local para várias plataformas de noticiais regionais e nacionais, afirmou que o que o levou a começar um serviço de notícias pago foi a quantidade impressionante de informação falsa que vê todos os dias no WhatsApp.

Shailendra Gangwar, um subscritor do Rocket Post Live e médico de clínica geral que vive no distrito, diz que recorre a este serviço porque este é barato e não perde tempo a tentar decifrar o que é verdadeiro e o que não é: “Graças a Gaur, podemos confiar no WhatsApp para ter acesso às notícias. Há centenas de outros grupos de notícias no WhatsApp neste distrito, mas é difícil confiar em muitas delas – ao contrário das publicações do Rocket Post Live.”

Gaur também trabalha como correspondente freelance para o Bhaskar Digital, Times Now e outros canais de notícias da região e desde os tempos da universidade que testa vários formatos de transmitir notícias. Por exemplo, ele produziu vídeos de sucesso sobre as eleições de 2000 em Panchayat para um canal de cabo local, depois de pedir emprestada a câmara de um amigo que filmava casamentos.

“Sempre quis ser jornalista. Fazer a cobertura das eleições de Panchayat em 2000 foi o início - só me tornei jornalista a tempo inteiro em 2010”, contou Gaur. “O meu objectivo é muito claro. Vou fazer reportagens, mas sem comprometer a verdade. O problema é que algumas notícias são sobre uma pessoa importante que é nosso anunciante, e ele não quer que essas notícias sejam publicadas.”

Saurabh Sharma é um jornalista independente sediado em Lucknow e membro do 101Reporters.com, uma rede pan-indiana de jornalistas locais. Uma versão desta história foi inicialmente publicada no FactorDaily.

Tradução de Rita Monteiro