Lu-Olo cada vez mais próximo de ser Presidente de Timor

A percentagem de liderança de Lu-Olo mantém-se em torno aos 60% há várias horas, o que indicia que o candidato apoiado pelos dois maiores partidos deverá ser o próximo Presidente da República timorense.

Francisco Guterres Lu-Olo é apoiado pelos dois maiores partidos timorenses, Fretilin e CNRT
Foto
Francisco Guterres Lu-Olo é apoiado pelos dois maiores partidos timorenses, Fretilin e CNRT Reuters/LIRIO DA FONSECA

Francisco Guterres Lu-Olo, candidato apoiado pelos dois maiores partidos timorenses, Fretilin e CNRT, lidera a contagem dos votos nas eleições presidenciais timorenses, com 59,79%, quando estão escrutinados 69,4% dos votos, segundo dados oficiais.

A percentagem de liderança de Lu-Olo mantém-se em torno aos 60% há várias horas, o que indicia que o candidato apoiado pelos dois maiores partidos deverá ser o próximo Presidente da República timorense.

Às 7h locais de terça-feira (22h de segunda-feira em Lisboa), 16 horas depois de as urnas terem encerrado, o Secretariado Técnico de Administração Eleitoral (STAE) tinha escrutinado informação de 483 dos 696 centros de votação, com a contagem terminada em vários municípios.

Informação confirmada pela agência Lusa no STAE mostra que até às 22h tinham sido contabilizados 379.107 votos (de um universo de 743.150 eleitores) dos quais 355.571 são considerados válidos. Para vencer à primeira volta, Lu-Olo terá que obter mais de 50% dos votos válidos. À hora citada, Lu-Olo tinha obtido 212.509 votos (59,79%) contra os 107.372 de António da Conceição (30,2%).

Em terceiro de entre os oito candidatos, mas a muita distância dos dois primeiros, surge José Luis Guterres, com 9952 votos e 2,8%, à frente de Luis Tilman, com 7075 votos e 1,99%. José Neves tinha contabilizados 6998 votos, ou 1,97%, Antonio Maher Lopes 6263 votos, ou 1,76%, Amorim Vieira registava 2819 votos, ou 0,79% e, em último, Ângela Freitas obtinha 2493 votos, ou 0,70%.

A legislação timorense prevê que a contagem dos votos possa demorar até 48 horas depois do fecho das urnas, sendo que, em alguns locais, a votação se prolongou além da hora prevista devido à grande afluência.

Conceição venceu até ao momento duas regiões, incluindo o enclave de Oecusse-Ambeno, onde somou 14.148 votos (46,62%) contra os 13.976 votos de Lu-Olo (46,06%), tendo-se registado uma taxa de participação de 68,05%.

Em Ainaro, António da Conceição também foi o candidato mais votado, obtendo 45,69% dos votos, contra os 44,82% de Lu-Olo (a participação foi de 73,12%), perdendo em Aileu com 40,19% dos votos, contra os 49,76% de Lu-Olo (participação de 81,49% - a mais elevada até ao momento).

Entre os outros municípios já fechados, Lu-Olo venceu em Manufahi, obtendo 59,76% dos votos, contra os 30,24% de Conceição - a participação foi de 70,18% - e obteve 72,88% Na segunda cidade do país, Baucau, Lu-Olo obteve 72,88% dos votos contra os 16,17% de Conceição - a taxa de participação foi de 70,07%.

Outro dos locais onde a contagem também já terminou foi em Lisboa - este ano timorenses na capital portuguesa e nas cidades australianas de Darwin e Sydney puderam votar pela primeira vez -, tendo Lu-Olo vencido com 187 votos (65,61%), contra os 62 votos de António da Conceição (21,75%).

Na capital timorense, Díli, estão já contados 84,62% dos votos, com Lu-Olo a liderar, com 58,86% dos votos, contra os 29,94% de Conceição. Em Viqueque, na ponta leste do país - onde já foram contados 81,48% dos votos - Lu-Olo obtém a maior vantagem sobre os seus adversários, com 85,12% dos votos, contra 7,28% de Conceição. Um dos distritos onde a contagem está mais atrasada é Ermera - apenas foram contabilizados 16,42% dos votos - sendo a região uma daquelas onde Conceição disputa a vitória com Lu-Olo.