Refugiados yazidi chegam segunda-feira a Guimarães

Trinta pessoas vão juntar-se aos 43 refugiados oriundos de Eritreia, Etiópia, Síria e República Centro Africana que já estão no concelho ao abrigo do Plano de Acção denominado "Guimarães Acolhe".

Yazidis refugiados num campo na Turquia em 2015
Foto
Yazidis refugiados num campo na Turquia em 2015 Umit Bektas/REUTERS

Trinta pessoas da comunidade yazidi "com necessidade de protecção internacional" chegam a Guimarães na segunda-feira e vão ficar instaladas em alojamentos cedidos por instituições da rede social do concelho, anunciou a autarquia esta sexta-feira.

Em comunicado enviado à Lusa, a Câmara Municipal esclarece que aqueles 30 refugiados vão juntar-se aos 43 oriundos de Eritreia, Etiópia, Síria e República Centro Africana que já estão no concelho ao abrigo do Plano de Acção denominado "Guimarães Acolhe".

Os yazidis são uma minoria religiosa que tem sido alvo de perseguição e massacres na Síria e no Iraque por parte dos apoiantes do Daesh. Para Guimarães seguem oito famílias yazidi compostas por nove mulheres, oito homens e 13 crianças.

De acordo com o texto, o "Guimarães Acolhe" surgiu do "imperativo humanitário" sentido pelo município e pelas 17 instituições que subscreveram aquele plano "em responder ao apelo do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e do Governo português para prover o acolhimento de pessoas com necessidade de protecção internacional".

O objectivo da autarquia é "proporcionar condições de bem-estar e segurança às pessoas acolhidas, através dum forte envolvimento da sua rede social, desenvolvendo uma acção local convergente, integrada e articulada entre todos aqueles que nele participam". Para isso, esclarece o comunicado, os refugiados acolhidos têm acesso a aulas de português, estando alguns inseridos no mercado de trabalho ou a fazer formação profissional.

"Sempre que possível, são proporcionadas outras actividades que contribuam para a sua integração social, como visitas a espaços históricos e eventos locais, participação em actividades culturais e desportivas e mais, recentemente, aulas de informática", aponta o município.