Macron aumenta vantagem sobre Le Pen na segunda volta

Sondagem sugere que Macron ganharia segunda volta contra candidata da extrema-direita com uma diferença ainda maior.

Macron surge como o melhor colocado para bater Le Pen
Foto
Macron surge como o melhor colocado para bater Le Pen Stefan Wermuth/Reuters

Dias depois ter recebido o apoio do político centrista François Bayrou, o independente Emmanuel Macron subiu para 25% das intenções de voto na primeira volta das presidenciais francesas.

De acordo com uma nova sondagem realizada pelo instituto Odoxa para a televisão France 2 e divulgada este domingo, a líder da extrema-direita, Marine Le Pen, mantém a liderança no primeiro turno, com 27%. Mas Macron aumenta o seu resultado também na segunda volta, onde o inquérito indica que derrotaria Le Pen por 61% contra 39%.

Nas últimas sondagens, Macron surgia empatado ou pouco à frente de François Fillon. O candidato do maior partido da direita, Os Republicanos, desce agora para os 19% - envolvido num escândalo de empregos fictícios que terá dado à sua mulher e a dois dos seus filhos, Fillon soube a semana passada que a procuradoria que investiga os crimes financeiros vai manter aberta a investigação ao caso.

Na quarta-feira, o líder do Movimento Democrático, pequeno mas influente partido centrista, propôs à candidatura do independente Macron uma aliança eleitoral. “O que se joga nesta aliança é a possibilidade de restaurar a esperança”, disse Bayrou, três vezes candidato às presidenciais em França, numa referência ao crescimento de Le Pen. Macron aceitou a proposta e Bayrou não se candidata.

Bayrou escolheu entender-se com Macron, o ex-banqueiro que foi conselheiro de Hollande e ministro do Governo socialista, a quem as sondagens colocam na melhor posição para derrotar a líder da Frente Nacional na segunda volta das presidenciais, marcada para 7 de Maio. Os eleitores concordam: para 62% dos inquiridos na sondagem do Odoxa (e 76% dos simpatizantes de esquerda), a aliança entre os dois políticos de centro é “uma boa decisão”, com 50% a considerar que o apoio de Bayrou é “uma vantagem importante” para Macron, fundador do movimento En Marche!.

Pior ainda do que Fillon surge nesta sondagem o candidato do Partido Socialista, Benoît Hamon, com apenas 13% (desce de 15%) e quase empatado com Jean-Luc Mélenchon, o candidato à sua esquerda, que sobe para 12%. O inquérito foi realizado antes de ser concluído o acordo entre Hamon e o ecologista Yannick Jadot, que retirou entretanto a sua candidatura (1% nesta sondagem).

A primeira volta das presidenciais está marcada para 23 de Abril; os franceses voltam a ser chamados às urnas duas semanas depois, a 7 de Maio.