Costa com recepções populares calorosas na despedida de Goa

Primeiro-ministro voltou à casa da família em Margão.

O primeiro-ministro com a prima, Anna Karinaa
Foto
O primeiro-ministro com a prima, Anna Karinaa LUSA/TIAGO PETINGA

O primeiro-ministro foi alvo nesta quinta-feira de recepções populares calorosas no bairro português das Fontainhas em Pangim e depois junto à casa da sua família em Margão, durante o último dia de visita de Estado à Índia.

No bairro português do centro histórico de Pangim, capital do Estado de Goa, numa manhã de calor intenso, António Costa tinha à sua espera centenas de goeses, parte deles de ascendência portuguesa, que o receberam de forma emotiva, em verdadeiro ambiente de festa.

Tal como nas campanhas eleitorais, uma banda animou o percurso do líder do executivo português pelas ruas Natal e de São Sebastião, as principais artérias deste bairro de arquitectura portuguesa.

Durante cerca de meia hora, António Costa deu interruptamente abraços e beijos às pessoas que a ele se dirigiram e no meio da apertada segurança da polícia indiana (aparentemente pouco habituada a estas acções de rua com políticos) ainda conseguiu ter breves em conversas em português e em inglês.

Num desses momentos, encontrou-se com um senhor já de idade, Floriano Ávila, que foi amigo do seu pai, Orlando Costa, e que verteu algumas lágrimas de emoção após abraçar e trocar algumas palavras com o primeiro-ministro.

Ao som da "Marcha das Fontainhas" e de músicas populares portuguesas, a visita do primeiro-ministro foi sempre guiada pela historiadora goesa Maria de Lurdes Bravo da Costa.

Antes de chegar à delegação da Fundação do Oriente em Goa, António Costa entrou na bem restaurada capela de São Sebastião, cuja edificação se iniciou no século XVIII.

Perante os jornalistas, o primeiro-ministro fez então questão de salientar os progressos que considerou terem-se registado em termos de recuperação do património arquitectónico português no bairro das Fontainhas, tendo como comparação a realidade de 1995.

Calorosa foi também a recepção que o primeiro-ministro teve quando chegou a Margão para almoçar com a sua família, a tia e a prima, Anna Karinaa, que é o elemento do ramo Costa de Goa que tem mantido um contacto mais regular com ele.

Depois de muitos abraços, beijos e palmas, António Costa parou à porta da casa da sua família para ouvir um grupo coral juvenil cantar a música "Portugal campeão", que foi feita para o Mundial de Futebol do Brasil em 2014.

"Uma surpresa", reagiu António Costa, que depois cumprimentou aos membros do grupo.

Já à porta de casa, Costa respondeu a algumas perguntas de jornalistas sobre a sua família, adiantando que naquela moradia viveu muita gente e explicou porquê: "Na Índia é tradição que os irmãos que não casam vão viver com os irmãos que casam".

"Durante anos, nesta casa, o meu pai e o meu tio foram criados não só pelos seus país, mas também por sete ou oito tios", referiu.

Os jornalistas também questionaram a prima sobre qual a ementa do almoço indiano que prepararam para o primeiro-ministro, mas Anna Karinaa não entrou em detalhes.