Batalha vai ser a casa do cinema no Porto

Câmara aluga edifício classificado por um prazo de 25 anos. Será a cinemateca que a cidade reivindica há muitos anos.

Fotogaleria
Fotogaleria

É caso para dizer: “Vai voltar a ir no Batalha!”. Só que desta vez não se aplica a popular expressão "Vai no Batalha...", que os portuenses usam quando lhes tentam vender como verdadeira uma história fictícia, já que o cinema vai mesmo voltar ao notável edifício modernista desenhado pelo arquitecto Artur Andrade. O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, confirmou esta quinta-feira ao PÚBLICO a concretização de um projecto que vinha sendo reivindicado há muitos anos: a autarquia vai alugar o Cinema Batalha e transformá-lo na casa do cinema de que a cidade necessita, privada que está, desde há muito tempo, de um circuito normal de exibição cinematográfica na Baixa.

A negociação do aluguer foi concluída esta semana com a família e a empresa proprietária do edifício da Praça da Batalha – a sociedade Neves & Pascaud –, e a decisão será submetida a aprovação na reunião de câmara na próxima terça-feira, dia 17.

O contrato de aluguer terá uma vigência de 25 anos, e a autarquia pagará uma mensalidade de 10 mil euros – “um valor ligeiramente inferior à avaliação comercial do imóvel”, explica Rui Moreira, realçando, no entanto, que foram simultaneamente “acautelados os interesses, legítimos, da família proprietária e os da autarquia”.

A Câmara do Porto ainda ponderou a compra definitiva do edifício, que está classificado como monumento de interesse público desde 2012, mas “a família preferiu não se desfazer do imóvel, o que compreendemos”, acrescenta o autarca.

A Câmara do Porto vai fazer do Batalha a casa do cinema – ou uma espécie de cinemateca – da cidade. Quer instalar no edifício, projectado pelo arquitecto Artur Andrade (1913-2005) e inaugurado em 1947, “salas de exibição que consigam dar resposta às necessidades técnicas, estéticas e programáticas das cinematografias a exibir”, e para as quais será dotado de “equipamento actualizado do ponto de vista tecnológico”, diz o memorando do contrato, que contempla também a instalação de “sala de estudo e de investigação e também de exposições”, além de uma área de lazer que “fomente dinâmicas de fruição cultural”.

Para a adaptação do edifício a estas exigências e aos novos tempos, Rui Moreira avançou o nome de Alexandre Alves Costa, “que já foi sondado” para o efeito, uma escolha justificada “pela sua ligação histórica e familiar ao edifício” – além de cinéfilo e dirigente cineclubista, o arquitecto é filho do historiador e crítico de cinema Henrique Alves Costa (1910-1988)”.

Contactado pelo PÚBLICO, Alexandre Alves Costa não quis fazer qualquer comentário sobre este desafio. Mas admite que o Batalha faz parte da sua vida: “É um pouco a minha igreja, foi a minha missa semanal”.

O presidente da Câmara do Porto ressalva, contudo, que a futura intervenção no cinema “carece sempre da autorização da Direcção Regional da Cultura do Norte”, algo que está, de resto, contemplado no contrato de aluguer.

Quando reentrar no circuito cultural da Baixa do Porto – o que dificilmente poderá acontecer antes de 2018, tendo em vista a necessidade de um projecto e do posterior concurso para a realização das obras –, o Cinema Batalha irá ser incluído no pacote do recém-criado Tripass, um cartão que dará acesso às sessões e programação do Teatro Rivoli, do Passos Manuel e também do Trindade, cujo regresso à actividade cinematográfica foi também já anunciada, mas que espera ainda a conclusão das obras de adaptação para o efeito.

Rui Moreira admite, de resto, que a reentrada em funcionamento do Batalha possa vir a libertar as salas do Rivoli da programação cinematográfica, ficando assim o Teatro Municipal mais disponível para as outras artes.

No horizonte da futura casa do cinema do Porto está também a relação e colaboração com a Cinemateca Portuguesa. “Tanto o Ministério como a Secretaria de Estado da Cultura foram informados e estão a par dos projectos da Câmara para o Batalha, e espero que venhamos a ter uma colaboração profícua”, acredita Rui Moreira.

O Batalha foi inaugurado a 3 de Junho de 1947, no lugar onde anteriormente existiu o Novo Cinema High-Life, e que fora a extensão, em 1908, neste quarteirão da cidade, do primitivo Salão High-Life, instalado dois anos antes no Jardim da Cordoaria, e que por sua vez fora já também o herdeiro de um efémero recinto de exibição cinematográfica, um barracão de feira para mostrar “fitas animadas” na então Feira de São Miguel, actual Rotunda da Boavista.

O edifício projectado em 1946 por Artur Andrade é um marco da arquitectura modernista portuense, e o primeiro cinema desenhado na cidade com este fim. Daí a sua classificação patrimonial.

Paralelamente à exibição cinematográfica comercial – e também a efémeras utilizações como sala de concertos, no início da década de 60, pela Juventude Musical Portuguesa; em 2007-08, acolhendo o Festival Intercéltico; e mais recentemente, concertos de fado e de música brasileira –, o Batalha foi durante anos o ecrã semanal do Cineclube do Porto, e por isso um templo da cinefilia portuense. Encerrou a sua actividade regular em 2010, terminado que foi um pouco feliz contrato de utilização por cinco anos por parte do Gabinete Comércio Vivo, dos comerciantes do Porto.

Aquando do lançamento do projecto da Porto 2001 – Capital Europeia da Cultura, o Batalha, com o vizinho Cinema Águia d’Ouro (agora um hotel), chegou a ser equacionado como lugar para a implantação da Casa da Música.

Agora, parece ter chegado a vez da definitiva concretização da casa do cinema.